A Polícia Civil começou a investigar nesta quarta-feira (8) o tiroteio dentro do túnel da Lagoinha, região Nordeste de Belo Horizonte, na última segunda-feira, em que um suspeito foi morto e um civil foi baleado no rosto. De acordo com a assessoria da corporação, foi decidido, nesse primeiro momento, considerar no caso a existência de dois suspeitos e quatro ou cinco vítimas.  

O delegado responsável pelo caso, Rafael Lopes Azevedo, deu início aos trabalhos de campo nesta manhã e recolheu imagens de câmeras externas de residências próximas ao local. Segundo ele, o outro suspeito teria fugido pelo bairro Floresta e que por enquanto, não pretende divulgar as imagens.

Guilherme Ferreira de Almeida, 19 anos, também considerado suspeito, morreu às 7h28 dessa terça-feira (7), após ser atingido por três disparos de arma de fogo.

Entenda o caso

Dois suspeitos  teriam tentado assaltar outras duas pessoas que passavam em uma rua que dá acesso ao bairro Colégio Batista e que fica localizada próxima ao túnel. Ao ser anunciado o assalto, as vítimas, em posse de armas de fogo, repreenderam os criminosos, atirando contra eles. Os bandidos correram para dentro do túnel. Foi quando um deles, Guilherme, abordou um motociclista com o objetivo de tomar o veículo e empreender uma fuga, porém, os disparos acabaram atingindo um dos assaltantes e o condutor da moto. O outro suspeito conseguiu fugir e não há, até o momento, informações que identifiquem as outras pessoas envolvidas na ocorrência.

O motociclista José Cirilo Gomes, de 50 anos, foi atingido no rosto e, segundo informações do Hospital Odilon Behrens, para onde a vítima foi socorrida, ele se encontra em estado grave, porém estável. Ele também passou por uma cirurgia e está respirando com ajuda de aparelhos.  

Apavorados com a cena, vários  motoristas abandonaram os carros no túnel e outros voltaram na contramão na tentativa de fugir do tiroteio. O trânsito no local chegou a ser interditado por cerca de duas horas.