A identidade de uma mulher, encontrada esquartejada em 2012, no bairro Dom Bosco, região Noroeste da capital, ainda é um mistério para a polícia. Com o objetivo de identificar a vítima, o Departamento de Investigação de Homicídios e Proteção à Pessoa (DHPP) enviou ao Instituto de Criminalística da Polícia Civil, fotos do rosto da mulher para reconstituição facial da mesma. 
 
De acordo com exames do setor de Antropologia do Instituo Médico Legal (IML), ela teria entre 25 e 30 anos, 1,53m de altura, pele morena e cabelos pretos encaracolados. A vítima apresentava ainda uma mancha escura de nascença, na nádega direita. 
 
Exames laboratoriais comprovaram que a mulher era usuária de cocaína e que era lactante, ou seja, acabara de sair de uma gravidez. 
 
Para o chefe do DHPP, Wagner Pinto, as investigações esbarram no reconhecimento da vítima. 
 
 
Relembre o caso
 
No dia 14 de setembro de 2012, foi encontrado na rua Beira Córrego, no bairro Dom Bosco, uma sacola de plástico preta, próxima a uma árvore. Dentro da sacola havia partes do corpo de uma mulher, sendo um tronco com os membros superiores. Dois dias depois, a polícia localizou, na avenida Itaú, também no bairro Dom Bosco, o restante do corpo: a cabeça e duas pernas. 
 
Durante procedimentos iniciais, foram colhidas digitais da vítima e encaminhadas para vários estados, no entanto, não houve êxito nas buscas. O subinspetor da 6ª Delegacia de Homicídios Noroeste Paulo César, afirmou que o primeiro passo é identificar a mulher para então pesquisar a vida pregressa dela. 
 
Qualquer informação sobre a identidade da vítima pode ser comunicada à Polícia Civil por meio do telefone 181 ou no 3429-6165.
 
(*Com PC)