O inquérito que investiga a morte do fiscal de ônibus Webert Eustáquio de Souza, de 34 anos, foi concluído pela Polícia Civil e remetido à Justiça. Conforme a corporação, o suspeito Lucas Gomes de Oliveira, de 20 anos, irá responder por homicídio qualificado por motivo fútil, com recurso que dificultou ou impossibilitou a defesa da vítima e pelo perigo comum, já que colocou em risco a vida de outros passageiros.

Além disso, Lucas foi indiciado pela tentativa de homicídio de outras duas pessoas, que foram baleadas. O assassinato aconteceu dentro de um ônibus, na avenida Cristiano Machado, região nordeste de Belo Horizonte, no dia 1º de outubro deste ano.

O delegado Emerson Morais, responsável pelas investigões, pediu à Justiça a conversão da prisão de temporária para preventiva. Lucas está no presídio Inspetor José Martinho Drumond, em Ribeirão das Neves, na Região Metropolitana de Belo Horizonte.

Vingança

O Departamento de Investigação de Homicídios e Proteção à Pessoa (DHPP) informou que a investigação apurou que Lucas matou o fiscal por vingança, já que no dia anterior ao crime havia sido expulso de um ônibus depois de se recusar a pagar a passagem.

No dia do assassinato, conforme a polícia, o suspeito embarcou no ônibus, próximo à Estação São Gabriel. Na avenida Cristiano Machado foi novamente abordado por fiscais. Ele teria caminhado até a roleta, sacado um revólver calibre .38 que trazia na mochila e, antes de atirar contra Webert ainda teria dito “toma aqui a sua passagem”. A vítima foi atingida cinco vezes. Após o crime, Lucas fugiu para a cidade de Antônio Dias, no Vale do Aço.

Fiscal morre e outras duas pessoas são baleadas dentro de ônibus na av. Cristiano Machado