A Polícia Civil de Minas Gerais instaurou inquérito na manhã desta segunda-feira (27) para investigar a origem dos disparos de arma de fogo que atingiram quatro convidados do deputado Alencar da Silveira Jr. (PDT), em uma festa em sua casa, no bairro de Lourdes, na região Centro-Sul de Belo Horizonte. O caso aconteceu na tarde desse domingo (26).  

De acordo com a corporação, diligências estão sendo realizadas a cargo da delegada Danielle Altaf, do 1º Departamento da Polícia Civil. A investigação segue em sigilo. 

Alencar não estava no evento

A assessoria de Alencar afirma que o deputado não tem suspeitas sobre quem pode ter cometido o crime. O parlamentar, inclusive, não havia chegado ao evento, quando os tiros começaram. 

De acordo com a assistente social Eutália Barbosa, concunhada do deputado, crianças e adolescentes, incluindo seu filho, estavam na área de esporte do condomínio, brincando de pingue-pongue, quando todos foram surpreendidos com tiros. Ainda segundo ela, o som estava baixo. 

"Ficamos em pânico. Estávamos num lugar aparentemente seguro. É comum a violência quando há confronto. Nesse caso, não houve nada, nenhuma desavença", disse. O filho de Eutália, de 16 anos, teve o intestino perfurado pela bala, passou por cirurgia e segue internado. 

Tiros do alto

Segundo a Polícia Militar, os convidados do parlamentar ouviram os disparos e, logo depois, perceberam que dois homens e duas mulheres haviam sido baleados. Testemunhas disseram aos militares que não sabem a origem dos tiros, mas que moradores da região estariam reclamando do barulho da festa.

Uma das mulheres foi atingida no tornozelo e a outra na coxa. Os homens foram baleados, um na mão e no ombro, e outro na barriga. Duas das vítimas foram encaminhadas para o Hospital de Pronto-Socorro João XXIII e para o Felício Rocho. As outras dispensaram o atendimento.

Leia mais:
Quatro são baleados em festa na casa do deputado Alencar da Silveira Jr., no Lourdes