A Polícia Civil identificou um casal que também foi vítima de furto, no mesmo dia em que os militares foram atacados em Igarapé, na Região Metropolitana de Belo Horizonte. Segundo o delegado Marcos Vinícius Lobo Leite, eles foram ouvidos nesta sexta-feira (10), no Departamento Estadual de Operações Especiais (Deoesp), e reconheceram os objetos apreendidos pela Polícia Militar na casa dos suspeitos que foram presos, em Ibirité, na Grande BH.

Ainda de acordo com o delegado, peritos do Instituto de Criminalística estiveram na casa das vítimas e recolheram provas que podem ajudar nas investigações.

O ataque contra o coronel reformado, de 50 anos, e a cabo, de 34, ocorreu no dia 6 de janeiro. Os dois foram rendidos, torturados e baleados por um grupo armado que invadiu o sítio do casal no residencial Ouro Verde. Ainda segundo a PM, os homens fugiram no carro do coronel, que foi encontrado queimado em uma estrada que dá acesso à BR-381.

A Polícia Civil concluiu a primeira fase do inquérito e definiu a autoria e a participação de seis suspeitos no crime contra o casal de militares. Os três presos vão responder por associação criminosa e tentativa de latrocínio. Outros três suspeitos morreram em confronto com agentes da Rondas Ostensivas Táticas Metropolitanas (Rotam) em Ibirité, na Região Metropolitana de Belo Horizonte (RMBH), na terça-feira (7).

O casal continua internado no Hospital de Pronto-Socorro João XXIII. Segundo informações divulgadas pela Policia Militar nesta sexta-feira (10), o coronel está se  recuperando bem e deve passar por uma tomografia neste sábado. Já a cabo permanece estável e se recupera aos poucos.