A Polícia Civil abriu inquérito para investigar uma quadrilha que aplicava o golpe do falso emprego em Igarapé, na Região Metropolitana de Belo Horizonte. Até o momento, 47 vítimas moradoras de Igarapé, São Joaquim de Bicas e Betim foram identificadas. Todas estão sendo ouvidas pelo delegado Edmar Henrique Cardoso, que está à frente do caso.

Conforme a corporação, três suspeitos, sendo dois homens e uma mulher, foram presos em flagrante por suposto envolvimento com o grupo criminoso. Um dos detidos é apontado como sendo o chefe da organização. Outras sete pessoas estão sendo investigadas. Uma delas prestou depoimento na quinta-feira (25), mas foi liberada.

A polícia efetuou as prisões na última sexta-feira (19), quando foi informada do golpe. Os suspeitos, segundo explicou a corporação, abordavam as pessoas e as induziam a comprar um curso de capacitação. Os estelionatários diziam que, após a conclusão do curso, a vaga de emprego era garantida, o que não ocorria. 

Para conseguir mais êxito no golpe, os suspeitos ainda usavam nomes de lojas e empresas de telemarketing conhecidas.

Leia mais:
Sine BH tem 111 vagas de emprego com salários de até R$ 2 mil
Mais de 180 mil trabalhadores de Minas ainda não sacaram PIS/PASEP