Mais três testemunhas devem ser ouvidas pela Polícia Civil nesta segunda-feira (27) em relação ao inquérito que apura as responsabilidades sobre a intoxicação provocada por dietilenoglicol, encontrado em garrafas de cerveja da Backer. Até sexta-feira (24), 21 pessoas já tinham sido ouvidas, especialmente familiares de vítimas.

De acordo com a Secretaria de Estado de Saúde (SES-MG), até sexta-feira foram notificados 26 casos suspeitos de intoxicação exógena por dietilenoglicol. Desses, 22 pessoas são do sexo masculino e quatro do sexo feminino. Quatro casos foram confirmados via exames laboratoriais e os 22 restantes continuam sob investigação. Quatro casos evoluíram para morte e um deles foi confirmado por exame. Em todos os casos, as vítimas teriam ingerido cervejas fabricadas pela Backer.

A distribuição geográfica dos 26 casos notificados, segundo município de residência, é a seguinte: 16 casos em Belo Horizonte e os demais 10 casos contabilizam registros em Capelinha, Nova Lima, Pompéu, São João Del Rei, São Lourenço, Ubá e Viçosa.

A recomendação da secretaria é que nenhuma cerveja produzida pela Cervejaria Backer, independente de marca e lote, seja consumida. Quem tiver garrafas em casa deve entregá-las à vigilância sanitária e não jogá-las em lixo comum.

A Backer informou que colabora com as investigações e oferece acolhimento psicológico e social para familiares e vítimas. 

Leia mais:
Backer cumpre determinação e começa recolhimento de 82 lotes de cerveja
Mapa contesta laudo independente da Backer e reafirma que água de cervejas estava contaminada