Ambiente insalubre e idosos com sinais de desnutrição e violência física. Esta é a realidade que a Polícia Civil (PC) encontrou em um asilo localizado em Santa Luzia, na Grande BH. Sem Alvará de Localização e Funcionamento local foi interditado, nesta quinta-feira (25), pela prefeitura da cidade.

A proprietária da instituição e a filha dela foram presas em flagrante por tortura e desacato, no momento em que os policiais verificaram que a situação era ainda mais grave do que a relatada por um denunciante.

Sete internos acamados foram levados para o Hospital Municipal de Santa Luzia. Entre eles, havia uma senhora com traumatismo craniano, que poderia ter sido provocado por uma agressão recente, conforme a PC. Havia também uma pessoa com ferida exposta e outra com pneumonia. Todos eles apresentavam sinais de desidratação e anemia.

A privação de refeições era uma maneira usada para torturar física e mentalmente os internos, afirmou a delegada Bianca Prado. “Pudemos verificar que alguns internos estavam de castigo em seus quartos, privados de alimentação”. Ela contou, ainda, que o local era insalubre. Uma fossa estava transbordando e os idosos acabaram tendo contato com o material que deveria ser descartado adequadamente.

Um cuidador que não estava presente no momento da vistoria ainda é alvo de investigação. E a delegada alerta: os familiares dos internos que não tomarem nenhuma medida, após a interdição, também podem ser responsabilizados pelo crime de abandono de incapaz. Até o momento, apenas duas famílias foram buscar idosos internados. 

O Secretário Municipal de Desenvolvimento Social, Wander Rosa de Carvalho Junior, informou que o asilo não faz parte do Conselho Municipal de Direito do Idoso e está irregular quanto a licenciamento. Disse também que uma equipe da área da saúde acompanha os assistidos que permanecem no local.

asilo interditado santa luzia

A Vigilância Sanitária foi acionada e o local, interditado

Leia mais:
Vale e quatro funcionários são indiciados por crime ambiental em Nova Lima
Suspeitos presos por pornografia infantil tinham 3 mil vídeos de crianças e adolescentes