A Polícia Civil prendeu sete pessoas suspeitas de envolvimento com o tráfico de drogas sintéticas nesta quarta-feira (19). Trata-se da terceira fase da operação Kaballah, desencadeada em Poços de Caldas, no Sul de Minas. Ao longo de toda a operação, que começou em maio deste ano, 23 pessoas já foram detidas. 

Nesta quarta foram cumpridos sete mandados de prisão preventiva e 11 de busca e apreensão, mas o trabalho não aconteceu somente em Poços de Caldas. As cidades de Andradas, também no Sul de Minas, e São João da Boa Vista, em São Paulo, também foram alvo. 

Na cidade paulista um químico foi preso por fabricar drogas sintéticas alucinógenas. As investigações dão conta que ele distribuía drogas em todo o país e também enviada para o exterior. Segundo a Polícia Civil, o suspeito possui até mesmo um livro publicado sobre a experiência alucinógena da Dimetiltriptamina (DMT). 

Durante o cumprimento dos mandados, um drone foi utilizado para dar apoio às buscas e registrou o momento exato em que as drogas foram dispensadas por um dos suspeitos, que também foi detido. 

A operação foi desencadeada no dia 21 de maio a partir da prisão de um engenheiro em Poços de Caldas, que estava em posse de mais de mil comprimidos de ecstasy, uma pedra bruta de cocaína, 29 porções embaladas para venda, quatro quilos de maconha e haxixe, além de uma grande quantidade de metanfetamina, vendida na forma de cristais, chamada de MD ou Ice. Na ocasião, também foram apreendidos com ele dois veículos, uma arma de fogo e R$ 4.200. 

Já na segunda fase da operação, no dia 31 de maio, foram apreendidos cerca de R$ 18 mil e 993 micropontos de LSD, outra droga alucinógena. A operação deve continuar nos próximos meses com o objetivo de desmantelar o tráfico de drogas sintéticas no Sul de Minas. 

Leia mais:

Crime caseiro: produção de drogas sintéticas em residências é o novo desafio da polícia
Ecstasy da marca Justiceiro, a mais apreendida em Minas, era produzido perto do Fórum Lafayette