Daílson da Silva, capitão do 10º Batalhão, em Montes Claros, no Norte de Minas, foi preso na manhã desta segunda-feira (29) suspeito de envolvimento em uma tentativa de fraude no concurso público da PM, realizado nesse domingo. O ex-cabo José Carlos Eulálio, mentor do esquema, fugiu após trocar tiros com a polícia. 
 
De acordo com o coronel Ricardo César, comandante da 11ª Região Integrada de Segurança Pública (Risp), durante as provas um sargento que aplicava a prova apreendeu o celular do candidato Carlos Alves da Silva, de 27 anos, depois que o aparelho tocou várias vezes. Ao militar, Silva confessou que o ex-cabo teria lhe passado o gabarito da prova. 
 
José Carlos foi expulso da corporação após ter sido condenado pelo assassinato de um empresário no Norte de Minas. Segundo o coronel, José Carlos teria entrado em contato com o candidato para combinar o local para o pagamento da suposta fraude. 
 
O candidato, na presença do sargento, marcou o endereço do encontro. Quando os policiais foram ao local combinado,  o ex-cabo percebeu que estava sendo monitorado e fugiu de carro, em alta velocidade. Na altura do bairro Campos Elízios, ele bateu o veículo e, após troca de tiros, o suspeito entrou em um matagal. 
 
No carro, foram apreendidos pontos eletrônicos e diversos celulares, além de documentos que faziam referência ao capitão Daílson da Silva. Com a apreensão dos objetos foi emitido mandados de busca e apreensão e de prisão contra os suspeitos. 
 
O capitão foi preso em sua casa. Até às 19h50 desta segunda-feira o ex-policial continuava foragido. Ainda segundo o comandante, a princípio, o capitão não teria nenhum envolvimento com essa tentativa de fraude, que não se realizou, mas sua prisão se deu pelo fato dele estar envolvido em uma amizade com o ex-militar foragido e também com outros bandidos da cidade.