A Polícia Civil resgatou uma jovem mineira de 21 anos que era torturada e mantida em cárcere privado em São Paulo. Durante o período que ficou como refém, a mulher teve a cabeça raspada e foi obrigada a postar as imagens nas próprias redes sociais.

O crime, segundo as investigações, teria sido ordenado pela mulher de um integrante de uma facção criminosa, que suspeitava que o marido estava mantendo um relacionamento extraconjugal com a jovem.

A vítima reside em Betim, na Grande BH, mas foi levada para Campinas, em São Paulo. A polícia tomou conhecimento do crime depois que a mãe da jovem assistiu aos episódios de tortura no status do WhatsApp da filha. Os investigadores mineiros localizaram áudios da vítima dizendo que havia apanhado e que estava com medo de morrer.

Após investigações, os policiais descobriram o paradeiro dela e acionaram agentes paulistas, que estouraram o cativeiro e levaram a mulher até uma delegacia da cidade. Conforme as apurações, pelo menos três mulheres e um homem teriam participado da sessão de tortura.

Os quatro suspeitos não foram localizados no cativeiro e estão sendo procurados.