Os três soldados envolvidos em uma troca de tiros com a investigadora Fabiana Aparecida Sales e o marido dela, devem ser indiciados por homicídio consumado e fraude. A informação foi repassada pelo delegado Osvaldo Wirmann à imprensa na tarde desta quarta-feira.

Segundo a Polícia Civil, os soldados estariam à paisana, praticando tiro em um matagal no bairro Pongelupe, região do Barreiro, quando foram abordados pela investigadora e o marido. O local é conhecido como ponto de usuários de droga. Fabiana teria discutido com os policiais, que acabaram atirando. O marido dela - que não é oficial, mas estaria armado - foi atingido oito vezes, quatro nas costas. Ele morreu no local. Já Fabiana sofreu dois tiros e passou por cirurgia na tarde desta quarta-feira.

Ainda de acordo com a Polícia Civil, a investigação está seguindo várias versões diferentes. O casal era dono de uma joalheria e existe a suspeita de que o crime estaria relacionada com dívidas de ouro. Outra versão dá conta de que a investigadora teria sido “cantada” pelos policiais, o que irritou a vítima fatal. A perícia ainda não foi concluída, mas já é possível dizer que Fabiana fez um disparo, mas não acertou nenhum dos suspeitos.

Depois da troca de tiros, os soldados voltaram ao 41º batalhão sem acionar a polícia. Eles podem ser indiciados por fraude processual, além de homicídio consumado e forma tentada. A Corregedoria da PM está acompanhando as apurações e uma sindicância vai ser aberta na corporação para apurar os fatos.

*Colaborou Igor Patrick