Cerca de 40 postes republicanos que compõem o viaduto Santa Tereza, no bairro Floresta, na região Leste, devem retornar ao tradicional cartão-postal de Belo Horizonte até o fim da próxima semana. Os equipamentos foram retirados em outubro do ano passado para restaurações. Além da pintura, em vermelho, as peças de 1929 contam, agora, com novo sistema elétrico, embutido na estrutura para reduzir interferências visuais.

A reforma foi feita pela BHIP, concessionária responsável pela iluminação da capital, e autorizada pelo Instituto Estadual do Patrimônio Histórico e Artístico (Iepha-MG). Segundo a empresa, o valor do restauro integra o contrato celebrado com a Prefeitura de Belo Horizonte (PBH), de R$ 1 bilhão, para manutenção e modernização das luzes da cidade até 2036.

A instalação dos 37 postes, com duas luminárias em cada, está sendo feita desde o começo da última semana. Os profissionais trabalham pela madrugada, já que o maquinário utilizado é pesado e a via precisa ser parcialmente interditada. “As peças danificadas pela ação do tempo ou mesmo por vandalismo passaram por um minucioso processo de restauração”, informou, por nota, a BHIP.

Cartão-postal
Preservar espaços que fazem parte não só do imaginário, mas também do cotidiano das pessoas, é fundamental. Professora do Departamento de História da UFMG, Regina Helena Alves Silva classifica a manutenção como crucial. "Inclusive, porque além de ser um marco, o viaduto ainda possui sua função de viaduto”, disse a historiadora, alertando que é necessário levar as revitalizações para outros pontos da metrópole.

Segundo o presidente da concessionária, Marcelo Bruzzi, o mirante das Mangabeiras e as praças da Liberdade, do Papa e do Santa Tereza já passaram pelas mudanças previstas no projeto “Iluminação de Destaque”. “Até o fim de outubro, será a vez do Conjunto Arquitetônico da Pampulha receber essa iluminação especial”.