Pelo menos 50 pessoas morreram em decorrência do rompimento da barragem de Córrego do Feijão, operada pela Vale, conforme estimativa do prefeito de Brumadinho, Avimar de Melo, o Neném da Asa (PV). Mais cedo, o Corpo de Bombeiros informou que 200 pessoas estão desaparecidas.

“Não temos mais detalhes porque está tudo acontecendo muito rápido”, diz. Segundo o chefe do executivo, a lama continua descendo o Rio Paraopeba e há preocupação com a comunidade ribeirinha. “As pessoas que moram perto do rio devem sair, pois há risco de transborde”, alerta. 

No local, equipes de vários órgãos se reúnem para definir estratégias de atendimentos. Equipes médicas atendem as vítimas e realizam as triagens das vítimas no campo de futebol ao lado do Sistema de Comando de Operações (SCO) no Centro Social do Córrego do Feijão. Diversas pessoas ilhadas estão sendo resgatadas por 51 bombeiros e seis aeronaves da corporação a todo o momento.

Um posto de arrecadação de alimentos ainda foi montado na Faculdade Asa de Brumadinho e é comandado pelo Corpo de Bombeiros.

Histórico

A notícia do rompimento da barragem Córrego do Feijão chegou no início da tarde desta sexta-feira (25) e, segundo o Corpo de Bombeiros, há relatos de mortes no local. Conforme os militares, o rompimento ocorreu próximo a Mário Campos e as proporções da destruição ainda são desconhecidas. 
A Polícia Militar destacou que helicópteros da corporação também foram deslocados para a região da barragem. Equipes da Defesa Civil municipal também foram deslocadas para a área da barragem.

Uma força-tarefa do Estado de Minas Gerais já está no local do rompimento. O objetivo é acompanhar e tomar as primeiras medidas. O governo determinou a formação de um gabinete estratégico de crise para acompanhar de perto as ações. 

O Ministério da Integração Nacional informou que o secretário nacional de proteção e Defesa Civil, Coronel Alexandre Lucas - ex-coordenador da Defesa Civil de Belo Horizonte -, está se deslocando para Brumadinho. De acordo com a assessoria de imprensa da pasta, o gestor estava em uma agenda oficial em Maceió, mas cancelou os compromissos.

O diretor do Centro Nacional de Monitoramento e Alertas de Desastres Naturais (Cenad), Armin Braun, também irá ao local do acidente, segundo o ministério. 

Leia nota da Vale: 

"A Vale informa que, no início desta tarde, ocorreu o rompimento da Barragem 1 da Mina Feijão, em Brumadinho (MG). A companhia lamenta profundamente o acidente e está empenhando todos os esforços no socorro e apoio aos atingidos.

Havia empregados na área administrativa, que foi atingida pelos rejeitos, indicando a possibilidade, ainda não confirmada, de vítimas. Parte da comunidade da Vila Ferteco também foi atingida.

O resgate e os atendimentos aos feridos estão sendo realizados no local pelo Corpo de Bombeiros e pela Defesa Civil. Ainda não há confirmação sobre a causa do acidente.

A prioridade máxima da empresa, neste momento, é apoiar nos resgates para ajudar a preservar e proteger a vida de empregados, próprios e terceiros, e das comunidades locais".


Leia mais:
Ponte de linha férrea desaba após ser atingida por 'mar de lama'
Três ministros do governo federal estão a caminho de Brumadinho para avaliar tragédia
Bombeiros confirmam 200 desaparecidos no rompimento da barragem em Brumadinho