A prefeitura de Betim, na Grande BH, confirmou nesta sexta-feira (14), acordo com 33 proprietários de imóveis no Beco Fagundes, no bairro Jardim Teresópolis, após o aviso de que todas as residências do local seriam demolidas por alto risco geológico. Na quarta-feira (12), um grupo de moradores protestou contra o despejo e a demolição, que deveriam ter começado nesta semana.

De acordo com a prefeitura de Betim, os 33 acordos totalizaram R$ 2.506.508,37. Outros 21 moradores escolheram manter a casa e receber o benefício do auxílio habitacional até a entrega de casas do Plano Municipal de Habitação (PMH) - o prazo máximo de construção dos imóveis é de 24 meses.

Sobraram ainda 14 proprietários, que não chegaram a um acordo para venda da casa e não aceitaram moradia no PMH. "Para essas moradias, não existe qualquer risco de demolição imediata", confirmou o executivo. 

Uma das famílias que decidiram pela permanência foi a da dona de casa Rosilaine Nogueira dos Santos, porta-voz dos moradores. "O valor oferecido pelo nosso terreno é irrisório, e não temos interesse em ir para outra casa", explica. "Eu moro aqui há 32 anos, e, como proprietária, só vou me mudar caso me façam um proposta realmente boa".

Os imóveis cujos moradores serão indenizados serão demolidos nos próximos dias, "pois representam graves riscos de ruir por terem perdido sua estabilidade na retirada de materiais, por parte dos antigos proprietários, que integravam sua estrutura", segundo a prefeitura de Betim. A Defesa Civil municipal mantém o alerta de alto risco geológico para toda a região durante o período chuvoso, que acaba em março.

Leia mais:
Após afundamento de pista em Nova Era, motoristas devem usar desvio na BR-381
Minas suspende exigência do CRLV 2021 até 1º de junho; documento referente a 2019 será exigido