O prefeito Alexandre Kalil (PSD) convocou uma entrevista coletiva para as 17h desta sexta-feira (5), na sede da Prefeitura de Belo Horizonte, para detalhar possíveis mudanças na estratégia de combate à Covid-19 na capital mineira.

O gestor irá se pronunciar após reunião com secretários e o Comitê de Enfrentamento à Pandemia da cidade. Na quarta-feira (3), o grupo se reuniu e decidiu manter a cidade sob as mesmas regras de funcionamento. No entanto, há a possibilidade de que medidas restritivas sejam definidas hoje, em meio ao recrudescimento da pandemia em todo o pais e circulação de novas cepas do vírus.

A única mudança anunciada na quarta foi o adiamento da volta às aulas presenciais de crianças menores de 5 anos. A administração municipal pretendia autorizar o retorno nesta segunda-feira (8), mas acabou postegrando o plano por conta dos indicadores do coronavírus na metrópole.

De acordo com o último boletim epidemiológico da prefeitura, a taxa de transmissão caiu de 1,20 para 1,18 após três dias em nível máximo de alerta, voltando à faixa amarela. O índice de ocupação dos leitos de Unidade de Terapia Intensiva (UTI) também regrediu, mas segue no vermelho, com 74,4% das vagas preenchidas. 

Por outro lado, a utilização dos leitos de enfermaria subiu na capital mineira nas últimas 24 horas. Atualmente 60,8% das vagas estão ocupadas. Desde o início da pandemia, em março do ano passado, 115.640 moradores de BH já foram infectados e 2.795 morreram pelo vírus.

Leia mais:

Ocupação elevada de UTIs pode aumentar média de mortes por Covid-19 no país
Minas registra mais de 7 mil casos de Covid-19 em 24 horas; número de mortes passa de 19,2 mil