A Prefeitura de Belo Horizonte (PBH) vai decretar situação de emergência ambiental na tentativa de agilizar a implantação de medidas para tentar salvar os fícus ameaçados pela mosca branca.

Um decreto neste sentido já está sendo elaborado pela Defesa Civil Municipal e deverá ser publicado no Diário Oficial do Município até a próxima segunda-feira.

Os fícus ameaçados estão localizados nas avenidas Bernardo Monteiro e Barbacena, nas imediações da Igreja da Boa Viagem e na praça Afonso Arinos.

O coordenador da Defesa Civil Municipal, coronel Alexandre Lucas Alves, afirma que a intenção do decreto é agilizar, junto à Agência Nacional de Vigilância Sanitária (Anvisa), o processo de autorização de uso e compra dos inseticidas que estão sendo testados para matar a mosca branca. “O decreto de emergência permite que isso seja feito sem licitação”.

A publicação do decreto foi definida na última quarta-feira (20), um dia após a prefeitura receber estudo de técnicos da área de meio ambiente do município afirmando que 12 fícus da avenida Barbacena estão condenados e terão que ser cortados. A poda deve ser realizada ainda nesta semana.

Havia a previsão de supressão de algumas árvores, mas a PBH atendeu a um pedido de ambientalistas para a manutenção dos troncos, uma forma de marcar a existência dos fícus na região.


Mais infestação

Também na última quarta-feira (20), a PBH informou que 125 árvores desta mesma espécie estão infectadas pela mosca branca no parque Lagoa do Nado, na Pampulha.

O Movimento Fica Fícus (MFF) vai analisar o laudo técnico que mostra como está sendo feito o monitoramento dos fícus na capital antes do início da poda na avenida Barbacena.

Segundo Patricia Caristo, representante do movimento, um biólogo acompanhará os estudos e até os tratamentos para tentar evitar as podas e o corte.