Quadrilha que arrecadou R$ 600 mil, somente no último semestre de 2018, em assaltos a shoppings, lojas e farmácias da Grande BH, é desarticulada e presa na manhã desta segunda-feira (15). 

A Polícia Civil cumpriu nove mandados de prisão contra seis homens e três mulheres suspeitos de participação nos crimes. Um homem ainda está foragido e sendo procurado.

O grupo foi detido antes de assaltar uma joalheria em um shopping da Savassi, na região Centro-Sul da capital. Com a ação, eles pretendiam arrecadar mais de R$ 3 milhões em acessórios e relógios. 

A quadrilha, que se intitulava “Facção Fênix” ou “Tropa do Gordão”, era chefiada por um detento, de 42 anos, da Penitenciária Nelson Hungria, em Contagem. "Gordão", como é chamado, recrutava a equipe e coordenava as ações criminosas na rua por um celular que mantinha dentro da cadeia.

Investigações

As investigações começaram em julho do ano passado, quando quatro integrantes da quadrilha roubaram uma unidade de uma empresa de venda de ingressos para eventos dentro de um shopping em Betim. O momento do crime foi registrado por câmeras de segurança, que mostram dois homens rendendo um funcionário do quiosque. 

Em seguida, eles correm carregando malotes com aproximadamente R$ 40 mil e encontram com uma mulher que, segundo a polícia, atuaria como olheira nas ações. O trio parte para o estacionamento e entra em um carro roubado com placa clonada, dirigido por um quarto participante. 

Em outubro, a organização assaltou uma drogaria no Centro de Contagem durante a noite. Funcionários e clientes que estavam no momento foram rendidos e trancados dentro de uma sala no interior da loja, enquanto um homem limpou os caixas. 

Um comparsa e o motorista esperavam por ele do lado de fora, como mostram as gravações do equipamento de segurança. Após essa ação, dois dos três participantes foram presos e a polícia descobriu que eles planejavam atacar o shopping de BH no dia seguinte. 

“Como é um local de intensa movimentação e a joalheria tem seguranças armados, resolvemos prender esses dois integrantes previamente para, pelo menos, impedir o roubo e um ataque maior”, explica o delegado responsável por coordenar as investigações Marcus Vinicius Vieira, da Unidade de Repressão a Organizações Criminosas (Draco).

Mais roubos

Dois veículos, um Honda Civic e uma Volkswagen Saveiro, utilizados nos crimes também foram roubados. Um trator avaliado em R$ 65 mil foi subtraído em Cláudio, no interior de Minas. 

Além de manter pessoas responsáveis por apreender os carros, a quadrilha tinha funções bem definidas entre os integrantes: parte dos homens executava os assaltos, outra era composta por pilotos de fuga. 

As mulheres davam apoio logístico, vigiando a presença de policiais na hora dos delitos, e uma delas controlava o caixa e a distribuição do dinheiro arrecadado. 

O grupo ainda postava videoclipes no YouTube, com imagens retiradas da internet e música criada por eles, para divulgar o trabalho da facção.