Cerca de 200 detentos de 20 unidades prisionais de Minas irão fabricar máscaras de proteção contra o novo coronavírus. A previsão, segundo a Secretaria de Estado de Justiça e Segurança Pública (Sejusp), é de que na próxima semana 22 mil máscaras cirúrgicas sejam produzidas diariamente pelos presos. Os materiais poderão ser utilizados pela população, hospitais, asilos e pelas forças de segurança. 

A produção começou na última terça-feira (24) no Complexo Penitenciário de Ponte Nova, na Zona da Mata, e os processos de corte, montagem e costura dos equipamentos utilizados por quem tem sintomas da Covid-19 seguem  parâmetros de confecção da Vigilância Sanitária. Doze presas são responsáveis pelo trabalho na unidade e pelo menos 4 mil máscaras devem ser produzidas a cada semana. Elas serão enviadas aos hospitais Arnaldo Gavazza Filho e Nossa Senhora das Dores, além de serem utilizadas por profissionais da unidade. 

Em Juiz de Fora, também na Zona da Mata, a camisaria Chico Rei começou, nessa quarta-feira (25), a produção dos materiais na Penitenciária Ariosvaldo Campos Pires. Cinco internos e costureiros que atuavam na confecção de camisetas no local agora vão produzir máscaras para quem atua na limpeza urbana do município e na unidade prisional.

Já em Caxambu, no Sul de Minas, o trabalho começa nesta quinta-feira (26), com a mão de obra de 15 presas, que já têm experiência na função,uma vez que confeccionam 5,8 mil camisetas por mês. 

Os materiais utilizados para a fabricação nas unidades prisionais de todo o Estado são doados por prefeituras, entidades civis, empresários ou moradores. 

Leia mais:
Saúde libera mais R$ 600 milhões para ações de combate ao coronavírus
Justiça concede prisão domiciliar de Marcos Valério por causa de pandemia de coronavírus
Número de casos confirmados de coronavírus em Minas sobe para 153 e mais de 17 mil são suspeitos