Consumidores habituais de presunto, bacon, salsicha e hambúrguer podem ligar o alerta e repensar o que colocam no prato. A Organização Mundial de Saúde (OMS) incluiu na lista de produtos que potencializam o risco de câncer todo alimento processado de origem animal – à exceção de peixes e frango.

O aviso, emitido nessa segunda (26) pela Agência Internacional para a Pesquisa sobre o Câncer (IARC) – ligada à OMS –, acrescentou os embutidos ao Grupo 1 de substâncias com alto potencial cancerígeno, onde constam também tabaco, álcool e amianto. Todos têm “evidência suficiente na incidência da doença”, segundo a pesquisa.

Os tumores provocados por esses alimentos são os colorretais (de intestino grosso e reto), terceiro tipo mais comum entre os homens e segundo entre as mulheres, conforme estimativas mundiais.

Segundo especialistas, cada porção de 50 gramas ingerida diariamente aumenta em 18% o risco de cânceres de intestino.

REDUZA

Já as carnes vermelhas em geral ficaram num grupo classificado como 2A, o mesmo que contém o glifosato, princípio ativo de muitos herbicidas. Nesse caso, aumentariam-se também as chances de se desenvolver cânceres de pâncreas e próstata.

Na avaliação da oncologista clínica Mirielle Nogueira Martins, da Oncomed, em Belo Horizonte, o aviso da OMS deve ser visto não só como um alerta novo relacionado à doença – segunda maior causa de morte no mundo –, mas como forma de orientar um consumo alimentar prioritário de frutas, legumes e alimentos frescos.

“Isso não significa que o consumo de carne vermelha esteja completamente proibido. O alarde tem que acontecer no sentido de compartilhar informação”, reforça.

CRITÉRIO

A OMS define como carne processada toda proteína transformada com métodos de salga, secagem, fermentação, defumo ou outros processos usados para realçar o sabor ou melhorar a conservação.

Substâncias adicionadas durante o processamento, como sal e aditivos químicos utilizados nos presuntos e patês, por exemplo, também aumentam os riscos de câncer.

(*) Com agências