Após cerca de cem dias de estiagem, a primavera chegou ontem aliviando o calorão e aumentando os índices da umidade do ar na capital. Porém, as chuvas que vêm com a nova estação também lançam um alerta. A população precisa ficar atenta a pistas escorregadias e riscos de inundações.

Até dezembro, Minas Gerais – em especial a Região Metropolitana de BH – vai ter dias típicos de passagem para o verão, indicam especialistas. Nesse cenário, as temperaturas vão se elevar durante a tarde, com queda nos termômetros a partir das 16h, muitas vezes acompanhada de precipitações ligeiras e fortes rajadas de ventos e raios.

Segundo Claudemir Azevedo, do Instituto Nacional de Meteorologia (Inmet), essa mistura será resultado do fluxo de umidade que está vindo do oceano. “Este encontro da massa de ar quente com a fria, na transição, é que pode trazer para BH chuvas fortes e trovoadas a partir de quarta-feira (amanhã). Esses fenômenos deverão acontecer em áreas isoladas, e não em toda a cidade”.

Trânsito

Motoristas devem redobrar a atenção. De acordo com Roberta Torres, especialista em segurança no trânsito, o acúmulo de sedimentos nas vias, principalmente pela estiagem prolongada na metrópole, pode deixar as pistas mais escorregadias.

“A chuva leva óleo e materiais, como borrachas de pneus, que ficam depositados nas pistas. Agora, o que vai acontecer é que será muito sedimento acumulado que ficará molhado. Por isso, é necessário ter mais vigilância em relação à velocidade”, alerta.

O meteorologista Arthur Chaves, da Cemig, diz que os pedestres também precisam ter cuidado. “Como as chuvas virão com rajadas de ventos, há possibilidade de quedas de árvores e raios, que podem atingir, por exemplo, a rede elétrica. Além, é claro, de inundações em pontos críticos”.

Para evitar as enchentes na cidade, a Superintendência de Limpeza Urbana (SLU) informou que equipes fazem, durante o ano, limpeza de córregos e bueiros em todas as regiões da capital.

Apesar de fortes e acompanhadas de ventos, as chuvas em Minas, até dezembro, devem ficar abaixo da média histórica. Segundo o Inmet, o único mês que deve registrar precipitação com mais regularidade é novembro, principalmente nas duas primeiras semanas

Aedes

O aumento das chuvas também requer ações para evitar a proliferação do Aedes aegypti. Neste ano, só na capital, 26 pessoas perderam a vida em decorrência da dengue, uma das doenças provocadas pelo mosquito.

Segundo a Secretaria Municipal de Saúde (SMSA), são 109.355 casos confirmados da enfermidade, sendo que 96,8% deles ocorreram entre março e junho, após o último período chuvoso. Outras 7.380 notificações estão sendo investigadas.

Segundo a SMSA, a preocupação maior dos moradores deve ser com lotes vagos e criadouros dentro de casa, onde está a maioria dos focos. A pasta afirmou que ações para conscientizar a população serão reforçadas neste período do ano.