Um procurador de Justiça de 59 anos foi preso suspeito cometer uma série de crimes em Belo Horizonte. O homem, de acordo com a Polícia Militar, tentou atirar em uma mulher de 53 anos após uma briga de trânsito. Ninguém foi atingido.

 

Conforme registrado no boletim de ocorrência, o homem também proferiu xingamentos homofóbicos contra a vítima, desacatou policiais militares e não apresentou a Carteira Nacional de Habilitação (CNH), que está vencida desde janeiro.

 

Além disso, o suspeito dirigia com sintomas de embriaguez, mas se recusou a fazer o teste do bafômetro. Toda a confusão ocorreu na noite de quinta-feira (1º), no bairro Santo Antônio, região Centro-Sul de Belo Horizonte.

 

Discussão

 

O caso, segundo a vítima disse à PM, teve início na esquina da rua Guaicuí com avenida Prudente de Moraes. O procurador estaria parado no semáforo, mas não arrancou com o carro quando o sinal abriu. A mulher disse que deu ré, parou o veículo ao lado do suspeito e chamou a atenção dele.

 

Depois, prosseguiu a viagem, mas foi perseguida pelo homem. Quando se preparava para entrar em casa, na rua Santo Antônio do Monte, a vítima relatou que o procurador bateu duas vezes na traseira do carro dela.

 

Os dois discutiram e, durante o bate-boca, o procurador a teria chamado de "sapatão" e "puta". O homem ainda teria ameaçado bater na mulher, que gritou por socorro. Consta no boletim de ocorrência que a companheira da vítima chegou a ajoelhar e pedir para que o suspeito se acalmasse.

 

Pouco tempo depois, ele sacou uma arma e disparou, mas sem atingir ninguém. A PM foi acionada e, quando a viatura se aproximava, o homem tentou fugir pela contramão.

 

Houve perseguição e o suspeito foi detido pouco tempo depois. De acordo com a polícia, o procurador estava muito exaltado e, por isso, teve que ser imobilizado. Ele teria xingado os militares de "bosta".

 

Irregularidades

 

Após se identificar como procurador, um representante do Ministério Público foi acionado para acompanhar a ocorrência. Um major da PM também esteve no local. Durante vistoria no carro do suspeito, os policiais encontraram uma identidade funcional que confirmou a profissão.

 

Uma arma e munições que estavam em uma mochila foram apreendidas. No boletim de ocorrência, os militares relataram que o homem estava com andar cambaleante, olhos vermelhos e hálito etílico.

 

Ele foi levado para a procuradoria do MP, que vai acompanhar o caso. Em sua defesa, o suspeito disse que foi atrás da mulher depois de ser xingado de "feioso" e "filho da puta". Ele pagou fiança e foi liberado.