O ensino remoto emergencial é uma possibilidade que está sendo avaliada pela UFMG, para permitir a continuidade dos estudos durante o período de pandemia de Covid-19. Durante uma live transmitida pelo Instagram da instituição nesta terça-feira (2), a reitora Sandra Regina Goulart Almeida afirmou que a universidade está analisando o que poderá ser feito nesse novo cenário e revelou que professores estão se preparando para formas de ensino não presencial.  

 

“Algumas instituições têm adotado (o ensino remoto emergencial) e a UFMG tem se preparado um pouco para isso. O Prograd (Pró-Reitoria de Graduação) está realizando cursos para docentes e discentes para atender essa demanda de aprendizado. Os professores precisam passar por esse aprendizado por meio remoto porque não estamos familiarizados. Somos confrontados a um cenário para o qual não estávamos preparados”, afirmou a reitora durante a transmissão.

Sandra reiterou, mais uma vez, que não há a menor expectativa para aulas presenciais neste momento. Segundo ela, a instituição passa por um momento de planejamento e todas as decisões sobre os novos rumos serão tomados pelo Conselho de Ensino, Pesquisa e Extensão e pelo Conselho Universitário, ambos formados por alunos, professores e servidores. “Não há respostas prontas, estamos fazendo uma construção conjunta, um diálogo com nossa comunidade”, disse, reforçando que a questão do acesso aos meios eletrônicos e à internet será tratada no planejamento.

“Vamos ver que políticas teremos de adotar de forma remota. Se isso for feito, se isso for deliberado, tem que levar em consideração que as pessoas tenham acesso e que a inclusão seja garantida. Qualquer decisão que a UFMG tomar terá que pensar na inclusão”, adiantou.

Ela garantiu ainda que os estudantes que iniciariam as aulas no segundo semestre de 2020 não perderão suas vagas. Eles poderão acompanhar as datas referentes a matrículas no site da UFMG. “Quem espera pela segunda chamada nesse semestre, não se preocupe, ela ocorrerá. Só não vai ocorrer no mesmo tempo do calendário civil, teremos que estender um pouco mais. Isso já aconteceu na história da UFMG em outros momentos”, explicou a reitora. “Não perderão as vagas, podem ficar tranquilos”.

Planejamento

Nesta semana, os colegiados de todas as unidades enviaram propostas para que a universidade se mantenha ativa durante o período de enfrentamento ao novo coronavírus. Sandra afirmou que as sugestões serão analisadas, debatidas e deliberadas, para somente depois haver mudanças. Não há data definida para que os conselhos decidam por novas medidas.

“Sabemos que não podemos voltar com as atividades presenciais nesse momento. Precisamos ouvir autoridades sanitárias para saber quando é possível ter uma atividade presencial, mas sabemos que esse não é o momento”, disse a reitora.

Sandra afirmou ainda que o semestre não pode ser cancelado, para a manutenção de pesquisas, defesas e projetos de extensão. “Se eu cancelar o semestre, não consigo ligar as atividades realizadas a esse semestre. Eles está em andamento, mas nem todas as atividades estão acontecendo. A universidade não está parada”.