Servidores estaduais da educação protestam na manhã desta sexta-feira (5) no térreo do prédio Gerais, na cidade administrativa, para pressionar o governo a atender as demandas da categoria. São cinco pautas, mas a principal e mais urgente é a falta de cumprimento do acordo com a categoria de pagar o reajuste de 11,36% na folha de fevereiro, referente a janeiro.

Assista ao vídeo do protesto:

"Se eles não cumprirem com o reajuste de 11,36%, que é a segunda etapa do processo para chegarmos ao piso nacional, até julho de 2018, o governo não vai conseguir alcançar o valor do piso nacional, como foi acordado em março do ano passado", afirmou Beatriz Cerqueira, coordenadora do SindUte.

As outras pautas são: estabelecer um cronograma para convocação de concursados; pagamento de funcionários da lei 100 que foram aposentados e não receberam o último salário; suspensão do desligamento de 8 mil funcionários vinculados à lei 100 que estavam em licença médica em 31 de dezembro; suspensão do parcelamento de salários. Esta última é uma luta solidária, já que os servidores da educação recebem menos de R$ 3 mil e não serão atingidos pelo parcelamento.

O Sindiute estima que até mil servidores de várias regiões do estado participem do protesto.

Para o dia 20 de fevereiro está agendada uma assembleia geral, em Belo Horizonte, para discutir a possibilidade de greve, caso o governo não atenda às reivindicações.

Servidores fazem passeata pela cidade administrativa, com bumbo, soprando apitos e batendo pratos