Quase 70% dos profissionais da rede pública de saúde de BH infectados pelo novo coronavírus trabalham em centros de saúde. Até agora, 501 trabalhadores do SUS da capital testaram positivo para Covid-19. Desses, 340 estão lotados nos postos – parte considerável dos doentes (155) são enfermeiros e técnicos de enfermagem.

Para representantes das categorias, esses profissionais são os que hoje mais correm risco de serem infectados. E o temor cresce a cada vez que é anunciada a morte de um colega, como ocorreu nesta sexta-feira.

Shirlene Alves dos Santos, de 53 anos, trabalhava no Centro de Saúde Paraúna, em Venda Nova, e manifestou os primeiros sintomas em 7 de agosto, segundo o Sindicato dos Servidores e Empregados Públicos (Sindibel). Internada, a mulher morreu sete dias depois.

Presidente do Conselho Regional de Enfermagem (Coren-MG), Carla Prado diz que os trabalhadores desses locais ficaram mais expostos ao novo coronavírus quando a transmissão da doença passou a ser comunitária. “A atenção primária é a porta de entrada do serviço. O profissional que está ali não sabe se o paciente está infectado”. 

A gestora observa que, no início da pandemia, as atenções se voltaram principalmente para quem estava na linha direta em hospitais e unidades de referência. 

“Nesses casos, o profissional já está acostumado a lidar com situações assim, já chegam paramentados e têm mais cuidado. O Coren promove treinamento em várias regiões e não vê movimentação do tipo voltada para a atenção primária. A prefeitura precisa ter mais carinho com essa área”, diz Carla.

Contingente

O número alto de profissionais contaminados em postos de saúde se justifica por existirem, na metrópole, 152 unidades onde trabalham cerca de 10 mil pessoas, afirma a prefeitura. Segundo a Secretaria Municipal de Saúde (SMSA), essa é a área que concentra grande parte dos servidores.

“A categoria da enfermagem tem o maior número de profissionais atuando nas unidades de saúde. Em consequência disso, a exposição ao vírus pode ser mais recorrente. Os profissionais seguem protocolos e trabalham com os equipamentos de proteção individual (EPIs) recomendados”, informou a pasta.

Ainda em nota, a SMSA garantiu ter promovido capacitação, por meio de webconferências e reuniões virtuais, para profissionais dos centros de saúde, inclusive orientando sobre o uso correto dos equipamentos de proteção individual.

enfermagem centros saúde

Leia Mais:
Comércio de Belo Horizonte fica fechado neste sábado; apenas serviços essenciais podem funcionar
Com mais 1.060 mortes em 24 horas, Brasil chega a 106.523 óbitos por Covid
Ocupação de UTIs para a Covid continua a cair em BH; mais 50 mortes são registradas em 24 horas