Já conhecida mundialmente por sua produção da bebida mais tradicional de Minas e do Brasil, a cidade de Salinas, no Norte do Estado, pode se tornar a Capital Nacional da Cachaça. O Projeto de Lei da Câmara (PLC) 93/2018, de autoria da deputada federal mineira Raquel Muniz (PSD), foi aprovado nessa terça-feira (27) na Comissão de Educação do Senado e segue agora para análise no Plenário. 

A cidade, que tem cerca de 40 mil habitantes, abriga a produção de 50 marcas da bebida, o que gera de 1.000 a 1.500 empregos diretos e indiretos, segundo a Associação dos Produtores Artesanais de Cachaça de Salinas (Apacs). O setor movimenta, em média, R$ 80 milhões anualmente e a oficialização do título nacional pode fomentar ainda mais a economia local. 

"Isso agrega valor na comercialização da cachaça e melhora o turismo, que já gira em torno da produção da bebida. A cidade, por sua história, já é conhecida nacionalmente e mundialmente como a produtora da melhor cachaça, e o título vai ajudar a aumentar a comercialização das bebidas", relata a autora do projeto, Raquel Muniz. Ela acredita que o PLC pode se tornar lei ainda este ano.

A visibilidade gerada com o título tende a aumentar a produção da bebida e favorecer a captação de investimentos para a região. Não só Salinas, mas os municípios da região têm a economia impulsionada pela produção e manipulação dos derivados da cana de açúcar. Anualmente, a cidade realiza ainda o Festival Mundial da Cachaça e abriga o Museu da Cachaça, além de contar com curso superior de produção da bebida, complementando a cadeia produtiva com reflexos também nas áreas de turismo, cultura e educação.