A Guarda Municipal de Belo Horizonte prendeu 120 pessoas em projetos permanentes realizados entre 1º de janeiro e 16 de abril deste ano. O balanço se refere a dados dos projetos Viagem Segura, Sentinela e Flanelinha. 

De acordo com a prefeitura, os três projetos combatem diretamente a desordem pública, ampliando a sensação de segurança nos ônibus, em áreas que apresentam elevados índices de criminalidade e ainda combatem a extorsão praticada por flanelinhas.

Projetos permanentes 

Durante a Operação Flanelinha, a guarda realizou 309 abordagens. Segundo o órgão, foram 24 ações, sendo 22 em partidas de futebol e duas em eventos realizados na cidade. Após os atos, 45 pessoas foram presas em 13 ocorrências policias.  

No projeto Viagem segura, segundo a guarda, aproximadamente 40 viagens foram acompanhadas por dia. De janeiro a abril, foram realizadas 4.120 viagens embarcadas, sendo 3.810 em ônibus municipais e 310 nos coletivos metropolitanos. Nessas ações, 929 pessoas em atitudes suspeitas foram abordadas e 37 foram presas.

Por fim, na Operação Sentinela, no período e janeiro a abril, 406 visitas preventivas a áreas de comércio da região e 1.217 ações de apoio a turistas foram realizadas. Ainda nesse período, foram contabilizadas 898 ações de abordagens a pessoas suspeitas e 34 abordagens a veículos. Ao todo 64 ocorrências policias foram registradas e 38 pessoas foram presas.

A Operação Sentinela é um projeto permanente de policiamento em áreas que registram maiores índices de violência. Atualmente é realizado na região da Lagoinha, da Praça do Peixe até a região do entorno da rodoviária. A equipe de guardas municipais atua das 13h até 23h. O patrulhamento é realizado por duplas ou trios de agentes, que circulam a pé pela região. 

As ações preventivas da Operação Sentinela ainda resultaram na apreensão de drogas e recuperação de dois aparelhos celulares que haviam sido furtados.