Após seis anos funcionando nos arredores do Colégio Arnaldo, a tradicional feira de artesanato Espaço da Cidadania retorna, hoje, ao local de origem. O endereço havia sido alterado devido à infestação de mosca-branca nas centenárias árvores da espécie Fícus, em 2013. A volta das 150 barracas para a avenida Bernardo Monteiro, entre a avenida Brasil e a rua dos Otoni, no Santa Efigênia, ocorre depois de uma série de protestos dos expositores.

Responsável por uma das barracas, Cláudia de Souza, de 54 anos, lamenta que, nos últimos anos, a feira não tenha conseguido captar público por conta da localização. 

“Agora, vamos descer para o lugar antigo com esperança. Sabemos que o país está em crise, mas não podemos ficar parados. Afinal, do jeito que está, voltamos para casa frustrados, pois não conseguimos vender”, afirma Cláudia, que comercializa bijuterias feitas com pedras naturais. Desde 2013, ela estima queda de 70% nas vendas.

A volta das barracas para o antigo corredor de Fícus foi garantida após assembleia com integrantes da prefeitura, realizada na última quarta-feira. Na ocasião, 109 barracas foram representadas e 83 votaram pelo retorno, o que já garantiu a realização da edição de hoje no devido lugar. 

Dany Amaral, gerente de Ações para Sustentabilidade da Secretaria Municipal de Meio Ambiente (SMMA), afirma que agentes monitoram a saúde dos Fícus periodicamente. Segundo ele, nos últimos quatro anos a capital não teve nenhum surto de mosca-branca.

FÍCUS FEIRA AVENIDA BERNARDO MONTEIRO
Volta ao antigo ponto traz esperança de vendas maiores e mais clientes 

“Para o retorno da feira, fizemos uma análise para atestar a segurança. As árvores estão melhores. Não voltaram à situação original, pois são antigas e acabam ficando debilitadas, mas a vegetação é estável”, garante. 

Subsecretário de Direito e Cidadania da Secretaria Municipal de Assistência Social, Segurança Alimentar e Cidadania, Thiago Alves diz que desde que o interesse foi manifestado pelos expositores, a PBH se articulou para observar as condições de retorno. “Agora, estamos trabalhando para colocar o edital de intervenção para revitalizar aquele lugar”, detalha o subsecretário. Sobre as pessoas em situação de rua presentes no local,

Thiago acrescentou que a pasta tem feito ações para acolhê-las e encaminhá-las a abrigos.

A tradicional feira de artesanato Espaço da Cidadania teve o endereço alterado devido à infestação de mosca-branca nas centenárias árvores da espécie Fícus, em 2013. Após seis anos de prejuízos, barracas voltam ao local de origem 

Reação

Quem vê com bons olhos o retorno dos feirantes à via são os lojistas da Bernardo Monteiro. Responsável por uma loja de calçados, Ediana Mara Ferreira, de 45 anos, diz que o movimento caiu muito quando as barracas mudaram de endereço. “Fomos muito prejudicados”, diz. 

Já Bernadete Moreira, de 52, aposta que a região será mais valorizada devido ao movimento de artesãos e clientes. “Com a volta, acredito que a prefeitura vai cuidar melhor do canteiro central. Está uma sujeira”. 

A PBH publicou um edital de concurso para revitalizar a área. No entanto, as propostas recebidas não atendiam aos pré-requisitos documentais do processo licitatório e, por isso, o processo foi encerrado.

Agora, o Executivo estuda três possibilidades para melhorar a região: republicar o edital, executar um projeto próprio ou estabelecer uma parceria com algum adotante.