O jogo entre Cruzeiro e Palmeiras no Campeonato Brasileiro, na tarde deste domingo (8), no Mineirão, em Belo Horizonte, que terminou com o rebaixamento do time celeste para a Série B, foi marcado por brigas, cadeiras e objetos atirados em campo, e bombas de gás e de efeito moral. A Polícia Militar usou bombas de gás lacrimogêneo e de efeito moral para conter a quebradeira.

Confusão Mineirão

O posto médico que fica dentro do estádio informou que 32 pessoas foram atendidas durante a partida. De acordo com a Polícia Militar, três feridos foram encaminhados para o Hospital de Pronto-Socorro João XXIII, na capital, mas sem gravidade. No entanto, a unidade de saúde afirmou que 13 pessoas deram entrada após a confusão no Mineirão.

Confusão no Mineirão

Outros três suspeitos foram detidos. O comandante do Batalhão de Choque da Polícia Militar, tenente-coronel Juliano Trant, disse que os detidos foram por suspeita de envolvimento nas ocorrências de briga e quebradeira:

Em seu perfil oficial no Instagram, o Mineirão lamentou o que chamou de vandalismo. "Ver um clube mineiro rebaixado é muito ruim. Mas hoje, o mais dolorido foi ver alguns torcedores apaixonados, que costumam vibrar nas minhas arquibancadas, se transformarem em vândalos".

 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 

Tem gente que acha que é só um gigante de concreto, mas eu tenho alma. Torço, vibro, comemoro, e também, sofro... fico triste. . Ver um clube mineiro rebaixado é muito ruim. Mas hoje, o mais dolorido foi ver alguns torcedores apaixonados, que costumam vibrar nas minhas arquibancadas, se transformarem em vândalos. . Por aqui a equipe planeja, treina e trabalha duro para receber bem a todos. Infelizmente, o vandalismo tomou conta de muitos e, com tristeza, mostro que o resultado fora de campo é este. . É importante a sociedade refletir sobre o comportamento do torcedor. Vimos muito mais do que isso este ano. . Torcemos por um 2020 diferente.

Uma publicação compartilhada por Estádio Mineirão (@mineirao) em

O clima de guerra também foi registrado do lado de fora do Mineirão.

O Batalhão de Choque da Polícia Militar de Minas Gerais precisou usar o veículo blindado para dispersar as pessoas usando jatos d'água.