Minas Gerais registrou nos primeiros seis meses deste ano 880 focos de incêndio, segundo o Instituto Nacional de Pesquisas Espaciais (Inpe). Neste período, as queimadas foram as responsáveis por deixar 41 mil consumidores sem energia elétrica. Como a tendência para os próximos meses é de tempo seco, com índices de umidade relativa do ar abaixo dos 20%, a Cemig alerta para o risco à população, à fauna e à flora. 

No escuro

Quando as chamas atingem as redes de distribuição, além da queima de postes, o fogo pode provocar o rompimento dos cabos condutores, deixando a população no escuro. “Há também o risco de curtos-circuitos em linhas de transmissão e de distribuição de energia elétrica, causados pelo aquecimento do ar nas proximidades dos cabos condutores”, ressalta o engenheiro eletricista Rodrigo Damasceno, do Centro de Operação da Distribuição da Cemig.

Outro problema que pode contribuir para aumentar a incidência de queimadas são os balões, que podem causar incêndios de grandes proporções, quando atingem o chão ou tocam a rede elétrica. A proximidade do balão das linhas de transmissão ou de distribuição de energia também provoca o aquecimento dos cabos, causando curtos-circuitos, rompimentos e desligamentos de grandes trechos.

Para minimizar os riscos, a Cemig garante que investe todo ano aproximadamente R$ 4 milhões em ações de limpeza de faixa, poda de árvores e vegetações, execução de aceiro ao pé das torres e aplicação de pintura antichamas nos postes de madeira em locais de risco.

Dicas para evitar queimadas

De acordo com a Cemig, as principais causas de incêndios florestais em Minas são a queima de pastos e de terrenos para plantio, especialmente em períodos de altas temperaturas e baixa umidade do ar, além da queima de lixos, tocos de cigarros jogados em beiras de estradas, atingindo a vegetação seca, e raios. 

Para ajudar a diminuir os focos, siga as orientações abaixo:

- Fazer queimadas somente com autorização do IEF (0800 283 2323), Ibama ou órgãos competentes e de forma controlada, com a construção de aceiros e barreiras que impeçam a propagação das chamas.

- Não jogar pontas de cigarro próximo a qualquer tipo de vegetação.

- Apagar com água o resto do fogo em acampamentos para evitar que o vento leve as brasas para a mata.

- Não realizar queimadas a menos de 15 metros de rodovias, de ferrovias e do limite das faixas de segurança das linhas de transmissão e distribuição de energia elétrica.

Ilegal

Vale ressaltar que é proibido o uso de fogo em áreas de reservas ecológicas, preservação permanente e parques florestais. De acordo com a legislação, o indivíduo que cometer o crime ambiental terá que responder a processo, com possibilidade de prisão, e deverá pagar multa pelo dano ambiental causado.

Em caso de incêndios, o Corpo de Bombeiros (193) ou as Brigadas Voluntárias de Combate a Incêndios Florestais devem ser avisados o mais depressa possível.