A Receita Federal em Minas intensificou os trabalhos de fiscalização de imóveis irregulares em Poços de Caldas, no Sul de Minas, com a ajuda de um helicóptero do Corpo de Bombeiros.

A ação faz parte da operação João-de-barro, que foi deflagrada em outubro de 2018, e está atrás de contribuintes que concluíram suas construções nos últimos 5 anos, sem o recolhimento parcial ou total das contribuições previdenciárias. A Receita estima que R$ 15 milhões em contribuições estão sendo sonegadas, por ano, nesse tipo de crime na cidade.

Agora, o órgão ganhou um reforço dos militares e, com a ajuda do helicóptero, é possível fazer uma análise mais precisa dessas obras para combater a sonegação de impostos.

A operação seguirá por prazo indeterminado e atingirá as construções residenciais, comerciais e industriais. A seleção dos contribuintes a serem fiscalizados é baseada em critérios técnicos e impessoais, a partir das bases de dados da própria Receita Federal, com cruzamentos de informações recebidas de outros órgãos, como prefeituras e cartórios.

Ainda de acordo com a Receita, desde o início da operação, muitos contribuintes já foram notificados e devem regularizar a situação o mais rápido possível e evitar o pagamento de multas, que podem chegar a 225% do tributo devido.