O recurso da Arquidiocese de Belo Horizonte contra atividades de mineração na Serra da Piedade, em Caeté, na região metropolitana, foi negado pelo Conselho de Política Ambiental (Copam). O órgão é ligado à Secretaria de Estado de Meio Ambiente.

Foram 14 votos favoráveis e dois contrários – apenas o Ministério Público do Estado e a Associação Mineira de Defesa do Ambiente votaram contra a atividade mineradora. Argumentos baseados na legislação e que também indicam erros no projeto chegaram a ser apresentados na ocasião, mas foram insuficientes.

De acordo com a Arquidiocese de BH, a decisão “representa um enorme prejuízo, duro golpe ao meio ambiente e à vida. Trata-se de uma irresponsável e cruel agressão a todo conjunto ambiental da Serra da Piedade”. Em nota, a entidade destacou o posicionamento da Agência Nacional de Mineração, que foi contra a atividade no local. 

A Arquidiocese reafirmou, ainda, o compromisso com a preservação ambiental. “Permaneceremos no caminho de contraposição à ganância, para apontar as irregularidades que não contribuem para Minas Gerais e o povo mineiro, buscando a preservação do meio ambiente e da vida. Vamos continuar lutando contra a exploração predatória”, concluiu.

Por nota, a Semad informou que a Câmara Normativa Recursal (CNR), do Copam, não acatou o recurso impetrado pela Mitra Arquidiocesana e manteve a licença ambiental anteriormente concedida. "A reunião com a discussão e argumentação dos conselheiros está disponível para acesso, na íntegra, neste link. A ata da reunião estará disponível para consulta no site da Semad, junto à pauta da reunião do próximo mês".

Leia Mais:
Fim do BEm em contratos de trabalho e eventual nova onda de Covid-19 preocupam empresários
Ex-goleiro Bruno e mais 10 pessoas foram ouvidas no 1º dia do julgamento de Zezé