Duas macrorregiões de Minas Gerais regrediram para a onda vermelha, fase mais restritiva do programa Minas Consciente, após apresentarem piora nos indicadores que medem a evolução da pandemia do novo coronavírus no Estado.

A decisão, tomada durante reunião do Comitê Extraordinário Covid-19, foi divulgada pelo governo de Minas nessa quarta-feira (24). As novas recomendações deverão ser seguidas pelas regiões Norte e Leste a partir de sábado (27).

Oito das 14 macrorregiões do Estado estão na onda vermelha. Seis estão na amarela e nenhuma delas está na onda verde, a mais flexível do programa (confira lista abaixo). Na última semana, o número de casos da doença em Minas aumentou 4,5%, enquanto o número de óbitos cresceu 5,1% no mesmo período.  

Ondas 

Com a deliberação desta quarta, as macrorregiões Triângulo do Norte, Triângulo do Sul, Noroeste, Centro, Leste do Sul, Leste, Nordeste e Norte estão contempladas na onda vermelha. Já as macrorregiões Jequitinhonha, Vale do Aço, Oeste, Centro-Sul, Sudeste e Sul integram a onda amarela.

Nesta terceira fase do Minas Consciente, todas as atividades ficam permitidas em todas as ondas, desde que cumpram algumas regras, como distanciamento e limitação máxima de pessoas.

Pandemia em Minas

Minas Gerais já perdeu quase 18 mil pessoas para a Covid-19 desde o início da pandemia, em março do ano passado. Até a manhã de ontem, 17.974 óbitos foram registrados no Estado.

Segundo dados do boletim epidemiológico da secretaria de Estado de Saúde (SES-MG), Minas passou a marca dos 850 mil infectados e tem 853.459 casos confirmados do novo coronavírus. Os recuperados da enfermidade somam 778.996 pessoas.

Leia mais:
Minas define protocolo de volta às aulas presenciais, mas data depende da Justiça, prefeitos e pais
Brasil registra 1.428 novas mortes por Covid-19
Estudo detecta variante inglesa da Covid-19 em quatro cidades de Minas