O nível de água do Sistema Paraopeba, que abastece a Região Metropolitana de Belo Horizonte, atingiu o pior nível já registrado na história. Nesta terça-feira (25), o volume médio do conjunto de reservatórios era de 29,4%, superando o recorde, de 29,5% em 5 de favereiro deste ano. Ainda assim, nenhuma nova medida foi anunciada pela Copasa.
 
Os dados são divulgados diariamente pelo site da companhia. Os três reservatórios que compõem o sistema, Rio Manso, Serra Azul e Vargem das Flores, cai em média 0,1% ao dia. Somente nos últimos 30 dias, o volume das três represas reduziu em quase 4%, indo de 33,4%, em 22 de julho, para 29,9% nesta sexta.
 
O Rio Manso também caiu drásticamente, de 44%, para 39,8% e, diariamente, aumenta o recorde de índice mais baixo de sua história desde 6 de agosto. Já o reservatório Serra Azul, que no fim de 2014 chegou a 5,2% da capacidade, estava nesta terça em 11,8%, caindo mais de 2% nos últimos 30 dias. A represa Vargem das Flores, que está em 29,5%, também avança para sua pior marca, de 28,4%, registrada em 1 de fevereiro deste ano.
 
Medidas
 
Procurada pelo Hoje em Dia, a assessoria de imprensa da Copasa informou que nenhuma nova medida será tomada, diferente das já anunciadas em 10 de agosto deste ano. Na oportunidade, a presidente da companhia, Sinara Meireles, assegurou que não haverá racionamento na Grande BH ou sobretaxa.
 
De acordo com a presidente, a economia de 13,4% no consumo de água feita pela população, média atingida no período de janeiro a julho deste ano, foi o fator decisivo para que a medida fosse evitada. 
 
A Copasa calcula que, “caso a economia feita pela população se mantenha e os índices pluviométricos sejam os mesmos do ano passado, entre agosto e novembro, o Sistema Paraopeba, responsável pelo abastecimento da Grande BH, chegará em dezembro com cerca de 20% de sua capacidade, ou seja, com um volume de água suficiente para abastecer a população até a conclusão das obras no Sistema Paraopeba”, informou em nota a empresa.
 
A aposta da Copasa para conter a crise hídrica é uma obra, iniciada em junho deste ano, que vai bombear 5 mil litros de água por segundo do Rio Paraopeba, em Brumadinho, para a Estação de Tratamento do Rio Manso, que pertence ao Sistema Paraopeba.