Ruas, avenidas e até praças fechadas, em dias e horários específicos. Essa é a proposta da Prefeitura de Belo Horizonte (PBH) para a reabertura de bares e restaurantes na metrópole, prevista para ocorrer na fase 2 do plano de retomada apresentado pelo Executivo. Os detalhes foram passados pela secretária municipal de Políticas Urbanas, Maria Caldas, durante entrevista coletiva na tarde desta sexta-feira (31).

A ideia é que comerciantes disponham mesas e cadeiras ao ar livre e evitem aglomerações. As ruas Alberto Cintra (bairro União), Pium-I (Sion), Praça Marília de Dirceu (Lourdes) e Curitiba (Centro) são algumas das candidatas a receberem intervenções.

“Mas não quer dizer que todas (as vias) serão interditadas ou terão a mesma solução. Temos que ver a situação de cada uma”, ressaltou Maria Caldas. Os parklets podem, inclusive, funcionar como extensão do estabelecimento, frisou a secretária.

Confira como ficam as diretrizes de acordo com a PBH:

Principais recomendações no caso da disposição de mesas e cadeiras na calçada:

- Isenção da cobrança do uso do espaço público.

- Distanciamento entre mesas de, no mínimo, 2 metros.

- A disposição de mesas e cadeiras poderá ocupar a frente da testada do estabelecimento ou se expandir em até 6 metros para cada lado, a partir do limite da testada.

- Atendimento será restrito aos clientes sentados às mesas. 

Principais recomendações no caso da disposição de mesas e cadeiras em faixas de estacionamento:

- A área utilizada deverá ser segregada da pista de rolamento, por meio de grades e jardineiras, por exemplo.

- O layout das mesas deverá seguir as demais normas vigentes.

- A disposição das mesas e cadeiras poderá ser a mesma utilizada na faixa das calçadas.

- Ocupar no máximo 2 metros de largura.

Algumas restrições:

- Respeitar a distância mínima da esquina de 5 metros.

- Vagas de ambulâncias e viaturas policiais.

- Pontos de táxi e de ônibus.

- Áreas destinadas a carga e descarga.

- Rampa de acesso a cadeirantes.

Proposta aprovada

Presidente do Sindicato de Hotéis, Restaurantes, Bares e Similares da capital e Região Metropolitana (Sindihorb), Paulo César Pedrosa afirma estar de acordo com a proposta apresentada pela prefeitura. “Vai dar oportunidades de empregos para garçons, cozinheiros, copeiros”, destacou.

O representante da entidade adiantou que irá apresentar à PBH, ainda na próxima segunda-feira (3), um mapeamento com 70 ruas e quarteirões que podem ser contemplados com os fechamentos temporários. A expectativa é abranger em torno de 50 bairros da capital.