Terminou sem definição a reunião entre o prefeito Alexandre Kalil (PSD) e o Comitê de Enfrentamento à Covid-19 de Belo Horizonte, na tarde desta segunda-feira (26), para discutir a possibilidade de novas flexibilizações na capital mineira. Um novo encontro está marcado para esta terça (27).

De acordo com o infectologista Estevão Urbano, o cenário é bom, mas longe de estar resolvido. "Os números estão cada vez mais confortáveis, tanto a taxa de contágio quanto a saturação dos leitos, mas muito longe de um cenário tranquilo. A gente fica alegre, mas com muita cautela, porque qualquer coisa que sair do normal, as pessoas acharem que tá tudo bem, volta tudo a estava zero. É manter todo o regramento, distanciamento, máscaras, vacinação e torcer para continuar melhorando", ponderou.

Desde semana passada, representantes do setor de bares e restaurantes pedem ao prefeito um novo horário de funcionamento e a ampliação do número de pessoas por mesa. Atualmente, esses estabelecimentos podem ficar abertos das 11h às 22h, com venda e consumo de bebidas alcoólicas. Para o delivery, não há restrição de horário.

A PBH vem avançando na flexibilização nos últimos meses. Em 22 de abril, depois do último fechamento das atividades na cidade, academias, bares, restaurantes e shoppings voltaram a funcionar. Clubes e feiras receberam autorização para reabertura a partir de 8 de maio.

Um novo decreto liberou teatros, shows e eventos em 3 de julho. 

Na última sexta-feira (23), o Executivo municipal autorizou a retomada das aulas presenciais do ensino médio. Alunos da educação infantil e do ensino fundamental já estavam liberados para as atividades nos colégios.

Torcida no campo

Alexandre Kalil vai se reunir nesta terça, às 15h, com os representantes dos times América, Atlético e Cruzeiro, dos estádios de futebol, autoridades da Polícia Militar e membros do Comitê de Enfrentamento à Covid-19 para discutir o retorno do público às arquibancadas. Em seguida haverá uma coletiva de imprensa.

Um primeiro passo já foi dado na semana passada quando a Federação Mineira de Futebol publicou, com o aval da Secretaria de Estado de Saúde (SES), o protocolo de retorno dos torcedores nas partidas de futebol. Mas a palavra final, no entanto, cabe às prefeituras. 

Em BH, Kalil sinalizou que pretende liberar 30% da torcida nas arenas.

Leia Mais:
Dia dos Avós: paciente em reabilitação pós-Covid recebe visita das netas em hospital de BH
Saúde distribui mais de 10 milhões de vacinas até quarta