Academias, lojas de roupas, de calçados e artigos de festas em Ribeirão das Neves, na Grande BH, terão que fechar as portas a partir deste sábado (13). O município, que segundo o último boletim epidemiológico da Secretaria de Estado de Saúde registrou 166 casos e três mortes devido à Covid-19, vai endurece as regras de isolamento social.

Segundo o Executivo municipal, foi publicado um novo decreto com determinações para conter o avanço dos casos de contaminação pelo novo coronavírus. "Entre as medidas está o Plano de Flexibilização para o funcionando dos estabelecimentos comerciais, que será implementado de forma gradual, por meio de setorização das atividades comerciais e de serviços em fases distintas, de acordo com o risco sanitário e o potencial de aglomeração e permanência de pessoas", divulgou a prefeitura da cidade em nota.

Ribeirão das Neves foi um dos primeiros municípios no Estado a flexibilizar as regras de isolamento social. Entretanto, com o novo decreto, quem sair à rua deve estar usando máscara. Bares e restaurantes só estão autorizados a comercializar mercadorias para entrega. 

Conforme o texto, a cada 15 dias será feita uma avaliação sobre a permanência ou redução das medidas, sempre com base nos indicadores epidemiológicos e operacionais. 

"O decreto determina a utilização obrigatória de máscaras faciais, que cubram boca e nariz, podendo ser de fabricação caseira, a todos os cidadãos que saírem de casa, em qualquer espaço público e privado, em todo o território do município, como medida fundamental de proteção à saúde e à vida, com intuito de dificultar a transmissão do coronavírus", explica a nota no site da prefeitura.

Ainda segundo o Executivo municipal, a iniciativa tem o intuito de evitar que o município tome medidas mais enérgicas, como decretar o fechamento total das atividades, assim como a proibição da circulação das pessoas por motivos não essenciais.

Clique aqui e leia o decreto na íntegra.

Leia também:
Com projeto que troca lixo por água, estudantes mineiros vencem evento da Nasa
Centro de apoio para atender moradores de rua na Serraria Souza Pinto começa funcionar neste sábado
Com a pandemia de Covid, inadimplência da taxa de condomínio cresceu até 15%