Mais três cidades estão na rota da lama em Minas. No cenário de rompimento da barragem Sul Superior, em Barão de Cocais, na região Central, o risco é para os municípios de Santa Bárbara e São Gonçalo do Rio Abaixo. Já em relação ao reservatório Forquilha I, em Ouro Preto, é Belo Horizonte quem pode ser atingida.

No caso da capital, nem os mais de cem quilômetros que separam a estrutura localizada no município histórico dos bairros Maria Tereza e Beija-Flor, na zona Norte da metrópole, serão suficientes para evitar os impactos. A onda de rejeitos pode atingir o córrego do Onça e, com a elevação do nível da água, alagar 248 casas, estima a Defesa Civil municipal. 

Diante de uma ruptura, o prazo para a chegada da lama em BH, segundo a Vale, é de pelo menos 11 horas. Ainda assim, moradores da área não estão totalmente tranquilos. 

Comerciante da rua dos Moreiras, no bairro Beija-Flor, onde residem cerca de cem famílias, Rodrigo Nepomuceno afirma que a comunidade participará em peso do simulado programado para este sábado (25). São aproximadamente 800 pessoas.

“Todo mundo tem consciência de que a chance de sermos atingidos é pequena, mas não ignoramos o perigo. Depois do que aconteceu em Mariana e Brumadinho, ninguém está sossegado”, diz. 

Nesta quinta-feira (23), agentes da PBH visitaram 123 imóveis no Maria Tereza. Nesta sexta (24), devem ir a mais 125 casas para convidar os moradores a participarem do treinamento.

Orientações

O simulado de evacuação está previsto para começar às 16h. Além de explicar sobre as rotas de fuga, a Defesa Civil da capital e a Vale farão a instalação de sirenes para alertar a população.

O ponto de encontro para os moradores do bairro Maria Tereza será a Igreja Pentecostal Kairós. Já quem vive no Beija Flor deve se dirigir para o templo religioso Deus é Refúgio.

A Defesa Civil de BH tenta tranquilizar os cidadãos e afirma que o exercício é preventivo. “A comunidade já está mapeada e foi orientada. O treinamento obedece aos protocolos de segurança. Quem não foi avisado, não precisa se preocupar”, informou o órgão, por meio da assessoria de Comunicação. 

Além disso, a pasta reforça que já vem fazendo abordagens às pessoas nas próprias residências e em reuniões comunitárias.

Nível elevado

O nível da barragem Forquilha foi elevado para 3 em 28 de março. A mudança representa o alerta máximo e risco iminente de ruptura. O reservatório tem 98 metros de altura e 12 milhões de metros cúbicos de minério de ferro acumulados.

Procurada pela reportagem, até o fechamento desta edição a Vale não tinha se pronunciado sobre o treinamento para moradores de Belo Horizonte.

(*Colaborou Renata Evangelista)

Leia também:

BH na rota da lama: 800 moradores farão simulado de fuga por risco de rompimento de barragem