O início do ano letivo está às portas e os alunos que retornam às salas de aula amanhã terão pela frente um longo desafio: exatos 200 dias para se dedicarem aos estudos a fim de alcançar bons resultados – seja a aprovação na escola ou uma vaga na faculdade. A tarefa não será fácil, já avisam educadores. Mas pode se tornar mais leve se, desde o princípio, for levada a sério.
 
Dormir cedo e arrumar o material escolar com antecedência são dicas óbvias e já seguidas por muitos. Sozinhas, no entanto, não garantem sucesso a nenhum estudante.
 
“É necessário montar um esquema de estudo que organize as horas que deverão ser destinadas ao aprendizado e os períodos para atividades extracurriculares, como natação ou inglês, e para descansar”, recomenda Júnia Resende, coordenadora do Ensino Fundamental do Colégio ICJ.
 
O ideal é a família se reunir, ainda no início do ano, para planejar o horário. Assim, é possível ter tempo para estar juntos e os pais tomam conhecimento dos compromissos e obrigações dos filhos.
 
A regra também vale para os que se preparam para o Enem. “Infelizmente, muitos alunos adiam esse planejamento para depois do Carnaval ou até para depois da Semana Santa. Só que a UFMG está cada vez mais concorrida. Quanto mais antecipada for essa preparação, maior a chance de sucesso”, diz Rodrigo Fonseca, professor de português do pré-vestibular Chromos.
 
Para ele, duas horas diárias é o mínimo que deve ser exigido do candidato que espera bom desempenho. As primeiras semanas certamente serão as mais difíceis, alerta. “É preciso ter paciência e força de vontade até que estudar se torne um hábito. Depois desse tempo de adaptação, o estudante consegue manter o ritmo tranquilamente”.
 
Aplicação
 
Os conselhos já são seguidos pelas irmãs Izabela e Fernanda Fonseca, de 16 anos, que neste ano começam a estudar no Colégio Santo Antônio. Elas já cogitam a possibilidade de permanecer na instituição de ensino durante o dia para estudar mais. “Sempre gostei de ficar na biblioteca, fazendo resumo. Acho que rendo mais nesses ambientes”, explica Fernanda. Além disso, diz a irmã, longe de casa não há chance de perder tempo com televisão, computador ou cochilos. 
 
A rotina é pesada mas, para elas, vale a pena. “A matéria não acumula. Dá para chegar no dia da prova com tudo já estudado”, diz Izabela.
 
Caso os alunos ainda tenham dificuldade em alguma disciplina, Marcus Vinícius Leite, diretor didático da Fundação Torino, sugere que os pais recorram a aulas particulares. “No meio do ano é possível fazer uma avaliação de quais matérias precisam de dedicação maior. Um professor particular pode evitar sustos e apertos em novembro e em dezembro”. 
 
Começo da vida escolar exige um período de adaptação
 
O início do ano letivo, em fevereiro, é também o começo da vida escolar de muitas crianças. Pela primeira vez na vida, deixarão de passar o dia aos cuidados dos pais para frequentar uma escola. O processo de transição nem sempre é fácil e pode exigir um período de adaptação tanto dos pais quanto dos pequenos.
 
A preparação para essa nova etapa deve começar com algumas semanas de antecedência, sugere Grasiella Silva Godoy, pedagoga responsável pelo ensino infantil e fundamental I do Colégio Arnaldo, na unidade Anchieta. 
 
“É importante chamar as crianças para conversar, mostrando para elas porque é bom ir à escola. Inclusive, pedimos aos pais que levem os filhos à escola antes para que tenham a chance de se familiarizar com aquele novo espaço”, afirmou.
 
Até mesmo organizar o material escolar junto com os pequenos pode ser uma boa estratégia adotada pelos pais. “Nos primeiros dias, chegamos a pedir aos responsáveis que busquem o filho na escola mais cedo, até que eles se acostumem a ficar muito tempo fora de casa. 
 
Ela aconselha também que os próprios pais ou uma pessoa a quem a criança esteja familiarizada a deixe na escola para que ela não se sinta abandonada.
 
Hábito
 
Embora os primeiros anos escolares não exijam muita dedicação dos alunos, Grasiella observa que é nessa fase que os pais podem criar o hábito de estudo nos filhos.
 
“Nessa fase já é importante introduzir uma rotina para os filhos. Marcar um horário para os deveres da escola, deixando tempo vago também para outras atividades prazerosas. Criando o hábito, os pais não precisarão de ficar cobrando estudo no futuro porque isso se tornará natural”. 
 
Ponto a ponto
 
• Na rede estadual de ensino, exatos 2.219.073 alunos retornam às salas de aula amanhã e 3.670 escolas de Minas 
voltam a funcionar.
 
• Segundo Raquel Elizabete de Souza Santos, subsecretária de desenvolvimento da educação básica da Secretaria de Estado de Educação, a grande novidade deste ano é a universalização do projeto Reinventando o Ensino Médio.
 
• Após ser aplicado como piloto em 11 instituições em 2012 e ampliado para outras 122 escolas mineiras em 2013, a iniciativa estará em todas as escolas da rede estadual em 2014.
 
• Com isso, todos alunos do 1º ano estudarão disciplinas voltadas para a área de empregabilidade, como turismo, ciências aplicadas, informática, empreendedorismo e comunicação. Na rede municipal de ensino de Belo Horizonte, 165 mil alunos voltam a estudar em 263 escolas da capital.