De um lado, arte, cultura e história ainda mais valorizados e ao alcance de todos. Do outro, a ação de vândalos que insistem em depredar Belo Horizonte. A rua Sapucaí, no bairro Floresta, região Leste da capital, é palco de duas situações distintas que escancaram a preservação e os ataques ao patrimônio público da cidade. 

Importante ligação com a Praça da Estação e o metrô, a via abriga centenário imóvel da extinta rede ferroviária que passa por reforma e terá a primeira parte da obra entregue em julho. No entanto, a poucos metros da edificação, as duas lunetas que garantem uma observação gratuita da região foram, novamente, alvo de bandidos.

Após terem sido pichados e quebrados, os equipamentos instalados em dezembro do ano passado foram furtados, restando apenas as bases de sustentação. A estrutura de metal que segurava uma delas também está danificada. Relatos de pessoas que frequentam o local dão conta de que o crime teria ocorrido em abril. O ataque só foi descoberto pela Belotur, órgão responsável pelo atrativo, ontem, após o contato da equipe do Hoje em Dia.

“As pessoas devem ter pegado para vender, porque o material é de fácil distribuição em ferros-velhos. É uma pena, porque poucos têm acesso a instrumentos como esse e, agora, não conseguimos mais ver de perto os grafites”, diz o estudante Gustavo Pereira, de 23 anos, que passa pela rua todos os dias, ao se referir aos murais colocados em prédios do Centro da cidade.

Gerente de uma copiadora em frente à outra luneta, Wladmir Fróes, de 47, também lamenta. “Não entendo. É uma atração turística que traz melhorias para a cidade, e a população estraga o próprio bem”. Ocasionalmente, ele deixava o trabalho e ia observar os grafites com a ajuda do instrumento.

Dados da Secretaria de Estado de Segurança Pública (Sesp) indicam 1.050 crimes de vandalismo em BH, de janeiro a março – média de 11 por dia

Investigação

Diretor-presidente da Belotur, Gilberto Castro disse que a empresa iniciou conversas com a Guarda Municipal para investigar os furtos e punir os responsáveis.

 gestor não soube informar o valor do prejuízo. Porém, cada luneta custou aos cofres da PBH cerca de R$ 6 mil. No ano passado, além das duas instaladas na rua, outras três foram colocadas no mirante do Mangabeiras, na região Centro-Sul.

Agentes da Guarda Municipal vão intensificar o patrulhamento na região. “As pessoas precisam entender e cuidar dos equipamentos. A rua Sapucaí é muito importante para a capital”, acrescentou Gilberto Castro.

Em nota, a PM disse que há policiamento constante em toda a área central da cidade, mas que também vai aumentar as ações realizadas.

“A Polícia Militar continua com o firme propósito de fazer cumprir as leis, atuando em face da preservação da ordem pública e empenhando todos os seus esforços para melhor servir e proteger a sociedade”.

luneta rua sapucaíNa época em que foram instalados, os equipamentos custaram R$ 6 mil, cada, aos cofres públicos

Histórico

As lentes foram instaladas em comemoração ao aniversário de 121 anos da metrópole. Menos de uma semana após o “presente”, as duas foram alvo de pichações. Uma delas chegou a ser quebrada durante a madrugada. Como os autores do crime não conseguiram retirar os parafusos, comerciantes guardaram o objeto, que foi reinstalado.

(Com Lucas Eduardo Soares e Bruno Inácio)

Leia mais:
 

Instaladas para marcar o aniversário de BH, lunetas são alvo de vandalismo

Menos de uma semana depois da instalação, luneta é quebrada na rua Sapucaí

Rua Sapucaí ganha lunetas para primeiro mirante de arte urbana do mundo

Rua Sapucaí e Mirante Mangabeiras, em BH, terão lunetas em novembro