Um exame simples, disponível na rede pública de saúde, é a maior arma contra o câncer de mama, que mais mata mulheres no Brasil. Nesta sexta-feira (5) é celebrado o Dia Nacional da Mamografia, mas dados do Instituto Nacional do Câncer (Inca) apontam para uma redução de 47% no número de mamografias realizadas em 2020, durante a pandemia de Covid-19.

O exame é o principal meio de detecção precoce da doença, e a queda considerável, tanto no sistema privado quanto no público, desperta um alerta sobre as consequências drásticas do diagnóstico tardio.

De acordo com a oncologista clínica do Instituto de Urologia, Oncologia e Cirurgia Robótica (IUCR) e do A.C.Camargo Cancer Center Andréa Paiva Gadêlha Guimarães, é fundamental manter os exames de prevenção mesmo durante a pandemia, para não retardar o diagnóstico. "Em situações mais avançadas, são necessários tratamentos mais agressivos e a doença tem menor chance de curabilidade", explica.

Assista ao vídeo com a especialista:

 

A oncologista explica que a mamografia de rotina em mulheres sem sintomas é fundamental como exame de eleição para a detecção precoce de lesões na mama, além da necessidade de se manter hábitos saudáveis para evitar a doença. "Controle do peso, não fumar, fazer atividades físicas,  consumo moderado de álcool e a detecção precoce da enfermidade estão associados a cerca 95% de cura", pontua a médica.

Confira tira-dúvidas com relação ao exame:

  • Como é realizada a mamografia?​

A mamografia é um exame radiológico que faz uma radiografia das mamas por um equipamento de Raio X. Ele é capaz de detectar alterações ou lesões suspeitas de câncer antes do aparecimento dos sintomas, como palpação de nódulos ou alterações nas mamas.

Acesso à mamografia fica abaixo da meta estabelecida em Minas
  • É verdade que dói?

O exame pode doer e causar certo desconforto pela compressão em determinadas áreas. Mas é suportável.

mama
  • Existe uma idade mais indicada para fazer o exame?

A recomendação da Sociedade Brasileira de Mastologia é realização anual a partir dos 40 anos. Porém, o Ministério da Saúde aponta para o período de 50 a 69 anos a cada dois anos.

Câncer de mama
  •  Homens também devem fazer a mamografia?

Cerca de 1% dos casos de câncer de mama ocorre em homens . Assim, não é indicada para rastreamento de rotina. Mas é importante estar atento à história familiar e a alterações na mama como nódulos, área de endurecimento ou alteração de pele. Se apresentadas, procurar assistência médica para evitar atraso no diagnóstico.

homem sem camisa
  • O tamanho do seio influencia em algo na hora de fazer o exame?

Não habitualmente.

  • Quem tem prótese de silicone pode realizar a mamografia?

Pode e deve, seguindo as mesmas recomendações das demais. Neste caso, pode-se precisar um número maior de imagens e realizar manobras específicas para radiografar o tecido mamário. E é importante sempre avisar da presença da prótese antes do exame.

mama

 

  • Quais são os fatores de risco?

Os principais fatores de risco para o câncer de mama são obesidade, sedentarismo, consumo álcool, uso de prolongado de terapia de reposição hormonal e tabagismo.

obesidade

Obesidade é um dos fatores de risco do câncer de mama

  • Quais são os principais sintomas do câncer de mama?

Nos estados iniciais podem ou não aparecer sinais e sintomas. Nos estados mais avançados, os principais sintomas são endurecimento das mamas, caroço ou nódulo, abaulamento, erosão da pele, vermelhidão, eliminação de secreção pelo mamilo, fundamento ou inversão do mamilo e nódulo na axila.

vermelhidão

(*) Estagiária, sob supervisão do editor Renato Fonseca

Leia mais:
Alerta no Dia Mundial de Combate ao Câncer: rastreamento e tratamento não podem parar na pandemia
No Dia Mundial de Combate ao Câncer, confira 10 mitos e verdades sobre a doença