Em uma nota divulgada à imprensa na tarde desta quinta-feira (16), a Prefeitura de Belo Horizonte afirmou que falta Insulina Glargina nos centros de saúde da capital. 

De acordo com a Secretaria Municipal de Saúde de Belo Horizonte (SMSA-BH), o fornecimento do medicamento cabe ao governo do Estado e a distribuição não é feita desde março deste ano, o que impede a distribuição aos pacientes autorizados a recebê-lo. A insulina Glargina é um fármaco injetável usado para o tratamento de ambos os tipos de diabetes.

A Secretaria de Estado de Saúde de Minas Gerais (SES-MG), por sua vez, afirmou que já comprou o medicamento e aguarda, agora, a entrega pelo fornecedor. "Tão logo o item seja entregue em nosso almoxarifado, autorizamos a distribuição a todos os municípios do Estado", informou a pasta, em nota.

Esta não é a primeira vez que falta insulina nos centros de saúde de Belo Horizonte. Em 2017, a crise no fornecimento do medicamento levou o prefeito Alexandre Kalil (PHS) a anunciar a compra do suprimento por conta da prefeitura. Em uma postagem no Twitter, o chefe do executivo municipal chegou a criticar a SES-MG e o governo do Estado, à época sob o mandato de Fernando Pimentel (PT).