Você pode até não saber o que é nomofobia, mas muito provavelmente já apresentou sintomas desse mal da modernidade ou conhece alguém que tem crise de ansiedade, angústia, insônia e suor excessivo se ficar sem o celular por algum motivo. Mesmo que seja por poucas horas, a fobia, o medo irracional de ficar “desconectado” é preocupante.

Pesquisa publicada pela Digital Turbine, empresa de plataforma de comunicações móveis, aponta que 20% dos brasileiros não conseguem ficar mais de 30 minutos longe do aparelho. Outro levantamento, do Google, revela que 73% não saem de casa sem os seus dispositivos. 

Essa enorme dependência já virou problema na vida da adolescente Júlia Luiza de Carvalho Barbosa. Aos 17 anos, ela reconhece o vício e não sai de casa sem o carregador que garante o aparelho sempre ligado. E disse que descobriu o problema durante uma viagem, quando a falta de luz elétrica a deixou sem o celular por sete horas. “Foi um terror, tive uma crise de ansiedade, fiquei irritada e cheguei a suar frio”, diz Júlia. 

Mãe de Júlia, Marizete Carvalho diz que a filha não abre mão do telefone nem durante as refeições e por isso se preocupa com a saúde mental da adolescente, que trabalha como modelo. O uso excessivo do aparelho gera conflito entre mãe e filha, que discutem de maneira recorrente sobre o problema. “Tem horas que a gente está falando com ela, que não ouve, porque está sempre com o celular na mão, parece que em outro mundo”, afirma.

Pânico do offline

O psiquiatra Marco Túlio de Aquino diz que o problema é mais abrangente do que o simples fato de ficar sem o celular. Trata-se do desconforto de ficar offline, sem as tecnologias que estão embutidas nele.

Segundo o médico, a nomofobia ainda não faz parte da classificação internacional de doenças, mas já se tornou grande preocupação entre os especialistas, que chamam o transtorno de “síndrome da dependência digital” ou transtorno da hiperconectividade. 

“As primeiras pesquisas sobre o tema surgiram na Inglaterra e também há muitos estudos em países asiáticos, onde a presença da tecnologia é muito forte e as relações sociais são diretamente mediadas por ela”, diz o especialista.

O uso racional e necessário da tecnologia e do celular faz parte da normalidade do mundo moderno, lembra o psiquiatra. A patologia se instala quando o indivíduo fica sem a possibilidade de se conectar e começa a apresentar sintomas físicos e mentais semelhantes a de uma abstinência a drogas.

“Causa angústia, nervosismo, ansiedade, sensação de desconexão com o mundo, sudorese, insônia, enfim, um sofrimento muito grande”.

As longas horas de conexão afetam a saúde dos olhos, atrapalham o sono e provocam sensação de fadiga. Além disso, lombalgia e má alimentação.
A psiquiatra Jaqueline Bifano pontua que a dependência do celular é bastante comum em adolescentes. “Estes jovens não conseguem desligar nem mesmo durante a consulta, o que é motivo de briga com os pais e discussões regulares na família”, afirma.

A psiquiatra revela ainda que outros sintomas comuns da nomofobia são a obsessão de verificar mensagens, ligações, e-mails e as redes sociais o tempo todo. 

“A pessoa tem a necessidade de ver o que estão postando, falando sobre ela, e pensa o tempo todo nisso. Ela não vive o presente, não se desconecta”, alerta a especialista. 

A palavra nomofobia é derivada do inglês (no-mobile), que significa literalmente “sem celular”. 

Leia mais:
Minas precisa de 80% da população vacinada com 2 doses para desobrigar uso da máscara de proteção
Brasil registra 182 mortes por Covid-19 em 24 horas
'É falsa a ideia de que mineração só traz buraco', diz Flávio Penido, diretor-presidente do Ibram