Sistema nervoso pode abrir caminho para tratamento menos agressivo do Melanoma

Vivian Chagas (*)
@vivisccp
06/12/2021 às 08:08.
Atualizado em 08/12/2021 às 01:13
 (Arquivo pessoal)

(Arquivo pessoal)


Um estudo comandado pela Universidade Federal de Minas Gerais (UFMG) identificou que a manipulação do sistema nervoso pode ser um caminho para encontrar maneiras de tratamento menos agressivas e tóxicas para o melanoma, o tipo mais agressivo do câncer de pele.

A conclusão é de uma pesquisa de três anos realizada em conjunto com cientistas do Hospital Sírio-Libanês, da Universidade de São Paulo (USP), da Universidade Federal do Oeste da Bahia (Ufob), da Federal de Goiás e de colaboradores internacionais.

Em análises iniciais, os pesquisadores já tinham constatado que os neurônios sensoriais se infiltram nos tumores. Essas células são responsáveis, por exemplo, pelo paladar e o tato.

O professor do Departamento de Patologia da UFMG e coordenador da pesquisa, Alexander Birbrair, explicou que, com a descoberta, é possível controlar o tumor “por dentro”, de forma que ele promova a própria extinção e também bloqueie o desenvolvimento do melanoma. 

Para comprovar isso, os estudiosos separaram dois grupos de camundongos transplantados com melanoma. Uma parte passou por um processo de superativação dos neurô-nios sensoriais e, como resultado, teve uma redução na progressão do câncer de pele. 

Já os camundongos que tiveram os neurônios desativados sofreram um avanço com mais rapidez do melanoma. A descoberta possibilita pensar em novos tratamentos contra o câncer de pele que sejam menos desconfortáveis e tóxicos para os pacientes.

“Infelizmente, os tratamentos de quimioterapia são muito tóxicos, porque além de matar células cancerígenas, eliminam também as saudáveis do organismo, daí os efeitos colaterais. Outra consequência é que o método também afeta os nervos sensoriais. Portanto, usar neurônios como alvo pode ser uma alternativa menos invasiva e tóxica”, explica Alexander Birbrair.

Ainda segundo o coordenador do estudo, a pesquisa pode servir de base para o desenvolvimento de métodos e tratamentos menos invasivos de combate às células tumorais.

O grupo agora está explorando a função destes neurônios em outros tipos de câncer, como de mama, próstata e pulmão. 
A pesquisa recebeu financiamento do Instituto Serrapilheira e tem apoio do Conselho Nacional de Desenvolvimento Científico e Tecnológicos (CNPq), da Coordenação de Aperfeiçoamento de Pessoal de Nível Superior (Capes) e da Fundação de Amparo à Pesquisa do Estado de Minas Gerais (Fapemig).

O artigo com os resultados do estudo foi publicado na revista científica “Acta Neuropathologica Communications”.

Câncer de pele 

O câncer de pele é o mais frequente no Brasil, segundo o Instituto Nacional do Câncer (Inca). O melanoma ocorre em 3% dos casos malignos, e é o tipo mais grave da doença, devido à sua alta possibilidade de provocar metástase, a disseminação para outros órgãos.

As causas podem ser variadas, tanto genéticas como ambientais. Isso faz com que não haja uma maneira 100% eficaz de evitar que o câncer apareça, mas o diagnóstico precoce pode influenciar muito no prognóstico do paciente. Por isso, o check-up anual é importante.

(*) Especial para o Hoje em Dia

Leia mais:
Mais da metade dos maiores de 18 anos consome bebidas alcoólicas, aponta pesquisa
Ministério da Saúde oferece mais de 21,5 mil vagas para médicos em todo o país
 

Compartilhar
Ediminas S/A Jornal Hoje em Dia.© Copyright 2022Todos os direitos reservados.
Distribuído por
Publicado no
Desenvolvido por