Pesquisadores da Universidade Federal de Viçosa (UFV), em conjunto com a Universidade Laval, no Canadá, desenvolveram uma substância capaz de detectar, em menos de um minuto, a presença de bactérias em hospitais e indústrias de alimentos.

A fórmula utiliza a proteína de um vírus que infecta especificamente bactérias do gênero Pseudomonas – uma das que mais atormentam o controle de qualidade das indústrias de alimentos.

Para identificá-las, basta pingar uma gota da substância nas superfícies ou em soluções com suspeita de contaminação. Se as bactérias estiverem presentes, uma espécie de “grumo” preto se formará no local em menos de um minuto. 

N/A

MANCHA NEGRA – Neste queijo, a solução mostrou que toda a superfície está contaminada 

“De vez em quando, microrganismos ou enzimas conseguem se manter ativos mesmo após o processamento, causando problemas no rendimento dos produtos e na qualidade e aparência dos alimentos”, explica a pesquisadora Monique Eller, professora do Departamento de Tecnologia de Alimentos (DTA) da UFV e uma das responsáveis pela invenção.

No leite, se a contaminação aconteceu antes do tratamento térmico, as enzimas que não foram inativadas continuam agindo dentro da caixinha, provocando uma espécie de “nata” no fundo da embalagem, processo conhecido como gelificação.

“O desenvolvimento dessas bactérias em produtos lácteos gera manchas coloridas nos mesmos e afeta o rendimento na produção dos derivados, causando muitos prejuízos”, complementa a pesquisadora.

Identificação precoce dos microrganismos causadores de infecções no ambiente hospitalar pode direcionar medidas de tratamento mais “certeiras”

Simples e eficaz

A técnica é inovadora, segura, de fácil manipulação e não exige equipamentos especiais ou intermediários para realização. O pedido de patente da tecnologia já foi registrado no Brasil e as pesquisas foram finalizadas. 

“O que falta para que a solução chegue no mercado são parcerias com empresas para transferência e escalonamento do processo”, diz Monique Eller. 

Perigo

Nos hospitais, a bactéria que incomoda é a Pseudomas aeruginosa. A espécie, do mesmo gênero, é mais perigosa e causa infecções em pacientes já debilitados. 

“A presença dela está ligada a infecções em vítimas de queimaduras, de problemas hematológicos e dos tratos urinário e respiratório. O biofilme produzido pelas bactérias desta espécie entope cateteres e também pode abrigar outros patógenos presentes no ambiente, provocando infecções hospitalares”, explica a executora da pesquisa, Jéssica Fernandes Carvalhais.

No ambiente hospitalar, para fazer o teste, também é necessário apenas aplicar uma gota da substância na área com suspeita de contaminação. Para a médica e pesquisadora Izabela Botelho, que também integra a equipe, a identificação precoce dos microrganismos causadores de infecções nas clínicas e hospitais poderá direcionar medidas de tratamento mais assertivos com antibióticos, diminuindo a seleção de microrganismos resistentes e reduzindo o número de tratamentos inespecíficos ou mesmo incorretos aplicados.

Leia mais:
Minas distribui mais de um milhão de vacinas da Pfizer
Casos de Covid-19 no Brasil sobem para 21,86 milhões e mortes para 609 mil