A Samarco informou, nesta sexta-feira (17), que aceitou a proposta dos sindicatos Metabase de Mariana e Sindimetal do Espírito Santo para a realização de um Programa de Demissão Voluntária (PDV) de 600 empregados. 

Nessa quinta (16), representantes da empresa se reuniram com membros dos sindicatos e falaram sobre a necessidade de reduzir o quadro de 1.735 para 1.135 trabalhadores até dezembro de 2017. Antes do rompimento da barragem de Fundão, eram cerca de 3 mil funcionários.

Segundo a empresa, "o PDV tem o objetivo de minimizar os efeitos de demissões que são necessárias devido à realidade da empresa, que pretende retomar as atividades com 26% da capacidade operacional", informou por meio de nota. 

A empresa informou também que, desde a paralisação das atividades, em novembro de 2015, fez o possível para manter os trabalhadores, concedendo férias coletivas, licença remunerada e dois períodos de layoff (suspensão do contrato de trabalho). O último foi iniciado em junho deste ano e segue até março de 2018.

PDV

Podem aderir ao PDV, empregados de todos os níveis, inclusive os que estão em layoff. A adesão poderá ser realizada entre os dias 20 de novembro e 1º de dezembro deste ano.

Entre os benefícios oferecidos para adesão ao plano estão: 50% do salário para cada ano de trabalho, limitado a 4 salários; 3 salários fixos limitado a R$7.500; desligamento por iniciativa da empresa; plano de saúde por 6 meses, a partir da data de desligamento do empregado.

Conforme e empresa, caso o PDV não atinja a meta de adesão de 600 empregados, será realizado Programa de Demissão Involuntária (PDI).

Hoje em Dia entrou em contato com o Metabase e aguarda retorno. Já o presidente do Sindimetal, Max Célio de Carvalho, afirmou que lamenta as demissões, mas que o acordo foi favorável. "Foram oferecidos bons benefícios para quem aderir ao PDV", justificou. 

Retorno das atividades

A Samarco esclareceu que ainda não há previsão para o retorno das atividades. 

Para voltar a operar, a empresa precisa obter duas licenças ambientais: o Licenciamento Operacional Corretivo (LOC) do Complexo de Germano e a licença para disposição de rejeitos na Cava de Alegria Sul. 

Os pedidos estão sendo analisados pelas Secretaria de Estado de Meio Ambiente e Desenvolvimento Sustentável de Minas Gerais (Semad).

Leia mais:
MP e mineradoras assinam termo para facilitar indenização de atingidos por rompimento de barragem
Assembleia de funcionários da Samarco prorroga suspensão temporária dos contratos de trabalho 
Samarco amplia período de layoff de cerca de 800 empregados