O Secretário de Estado de Administração Prisional (Seap), desembargador Francisco Kupidlowski, afirmou nesta terça-feira (31) que as unidades prisionais de Minas Gerais foram alertadas sobre o risco de ataques de organizações criminosas. 

O pronunciamento do secretário, na Cidade Administrativa, foi motivado pelo ataque a dois agentes penitenciários perto do Complexo Penitenciário Nelson Hungria, em Contagem, na Região Metropolitana de Belo Horizonte. Segundo ele, o PCC pode estar por trás desse ataque, que também deixou um adolescente de 13 anos ferido. 

O ofício com alerta para os agentes foi enviado da Seap para as diretorias das unidades nos últimos dias. “Já tínhamos tomado as providências dentro das unidades, isso (memorando) não foi direcionado a uma unidade prisional específica, foi genérico. Teria sido um 'salve' do PCC para as unidades prisionais. Nós tomamos as providências junto às unidades. Deixamos um alerta para eles não irem fardados, para, quando chegassem na porta da unidade ou saíssem de casa, tomassem cuidado”, esclareceu

O secretário falou também que outras hipóteses para o crime estão sendo levadas em conta, como uma possível desavença entre as vítimas e os atingidos. "Tudo isso está sendo investigado, de forma imparcial, cuidadosa, para que ninguém seja apenado precipitadamente, sem provas da motivação”.  

Por causa do atentado, o secretário da Seap, Francisco Kupidlowski, determinou a suspensão das visitas por sete dias

Outros ataques

Sobre a ocorrência de um tiroteiro próximo a um presídio em Sabará, também nesta terça-feira, o secretário disse que ainda apura os acontecimentos, mas garante que os dois casos não têm ligação. “Não sabemos o que houve, mas é um mal-entendido. Três indivíduos que foram abordados pelos agentes, parece que criaram caso, mas não tem nada ligado, é outra história. É uma história que está sendo apurada ainda, mas está mal contada”, disse.

Também nesta terça, homens atiraram contra a casa do coronel Giovanni Gomes da Silva, do Comando de Policiamento Especializado da Polícia Militar (CPE). O crime foi no bairro Caiçara, na região Noroeste de Belo Horizonte. A PM informou que "não há indicativos que qualquer relação com os episódios ocorridos no sistema penitenciário". A Seap também afirmou que os casos não têm ligação.

Feridos

 O agente atingido por nove disparos na porta da Nelson Hungria passa por uma cirurgia, mas, segundo informações da Seap, não corre risco de morrer. O outro segue internado e o estado de saúde é estável. Já a adolescente de 13 anos foi medicada e já teve alta do hospital.

Leia mais:
Casa de comandante de unidade da PM é atacada durante a madrugada
Visitas na Nelson Hungria são suspensas por 7 dias após atentado
PM recebe chamado sobre tentativa de invasão a presídio em Sabará