O Ministério Público de Minas Gerais (MPMG) informou nesta sexta-feira (28) que a Secretaria de Estado de Cultura e Turismo (Secult) acolheu a recomendação do órgão para realizar o tombamento estadual da Serra do Curral, na Região Metropolitana de Belo Horizonte. O processo será apreciado na próxima sessão ordinária do Conselho Estadual do Patrimônio Cultural (Conep).

Na segunda-feira (24), o MP realizou uma vistoria na Serra do Curral, com o objetivo de verificar as ocorrências arqueológicas, muros de pedra presentes na paisagem. O trabalho contou com o apoio do Laboratório de Arqueologia Universidade Federal de Minas Gerais (UFMG), de integrantes do Projeto Manuelzão e do Movimento Comunitário Ecológico, Cultural e Esportivo Baixa Serra do Curral.

"A Serra do Curral é o marco geográfico mais representativo da região metropolitana da capital. O seu valor arqueológico, que abriga raros vestígios remanescentes do antigo arraial de Curral Del Rei, como os muros de pedra, é fundamental do ponto de vista do aprofundamento do conhecimento científico sobre as origens de Belo Horizonte", afirma o promotor de Justiça Marcelo Maffra.

São 14 quilômetros de serra, que passam por Nova Lima, Belo Horizonte e Sabará. O lado da capital mineira é tombado pelo Instituto do Patrimônio Histórico e Artístico Nacional (Iphan) desde 1990.

Tombamento

O tombamento é um ato administrativo realizado pelo poder público com o objetivo de preservar, por intermédio da aplicação de legislação específica, bens de valor histórico, cultural, arquitetônico, ambiental e também de valor afetivo para a população, impedindo que venham a ser destruídos ou descaracterizados.

Leia Mais:
Relevância cultural do doce de leite Viçosa é reconhecida pela ALMG
Novos presidentes do Iepha Minas e da Faop tomam posse em Belo Horizonte
Matriz de Ouro Branco receberá R$ 1,3 milhão para obras de restauração