Segundo pesquisa da CNI, 65% dos brasileiros são favoráveis à exigência de comprovante de vacinação

Raquel Gontijo
raquel.maria@hojeemdia.com.br
14/12/2021 às 14:25.
Atualizado em 29/12/2021 às 00:32
 (Marcello Casal Jr./Agência Brasil)

(Marcello Casal Jr./Agência Brasil)

Uma pesquisa realizada pela Confederação Nacional da Indústria (CNI), divulgada nesta terça-feira (14), mostra que 65% dos entrevistados apoiam que estabelecimentos comerciais e outros lugares exijam o comprovante de vacinação como condição para o acesso de clientes. Apenas 22% dos entrevistados são contra essa prática. A pesquisa da CNI revela ainda que 66% dos consultados têm medo de conviver com pessoas que não tomaram nenhuma das doses das vacinas contra Covid-19.

Segundo os dados divulgados pela CNI, essa exigência ainda não está amplamente disseminada. Apenas 18% dos entrevistados tiveram de comprovar a vacinação em algum lugar que frequentou nos últimos três meses.

Na última segunda-feira (13), a Agência Nacional de Vigilância Sanitária (Anvisa) anunciou que começou a exigir o passaporte de vacinação da Covid-19 aos viajantes que chegam de voos internacionais e também nos postos de fronteiras. A medida é para o cumprimento imediato da decisão do Supremo Tribunal Federal (STF) que determina a cobrança do comprovante de vacinação para estrangeiros que cheguem ao Brasil.

Para o presidente da CNI, Robson Braga de Andrade, com o avanço da variante Ômicon, do ponto de vista econômico, quanto mais a população for imunizada e o setor produtivo sentir segurança, melhor o ambiente de negócios para a retomada da economia. "O crescimento econômico e a geração de emprego e renda serão mais intensos na medida em que conseguirmos acabar com a pandemia. A vacinação em massa foi determinante para contermos a disseminação do vírus", comenta.

Não vacinados
De acordo com o levantamento, as pessoas que não receberam nenhuma dose das vacinas são aquelas que têm menos medo de frequentar lugares públicos. Enquanto 65% dos brasileiros totalmente imunizados têm algum temor de ir a shows e eventos, o percentual cai para 39% entre aqueles que não tomaram nenhuma dose dos imunizantes. No geral, essa é a atividade que mais desperta algum tipo de temor entre os entrevistados, imunizados ou não.

A pesquisa também aponta que o trabalho presencial é a atividade que menos assusta os participantes: 23% afirmam que têm medo muito grande ou grande; e 27% dizem que o medo é médio.

Leia também:
Anvisa notifica postos de fronteira a exigir comprovante de vacinação
Análises de amostras da variante Ômicron em Minas devem ser concluídas até esta quarta, diz Funed

Compartilhar
Ediminas S/A Jornal Hoje em Dia.© Copyright 2022Todos os direitos reservados.
Distribuído por
Publicado no
Desenvolvido por