Uma jovem de 24 anos diz ter sido estuprada por um motorista do Uber na madrugada deste domingo (29). A jovem, que voltava para casa no bairro Castelo, na região da Pampulha, em Belo Horizonte, pediu o carro pelo aplicativo no bairro Parque Recreio por volta de 1h da manhã. 

Ao chegar perto da residência da passageira, o motorista informou que o GPS do programa estava com problemas e havia parado de funcionar. Ele pediu que a mulher aguardasse enquanto dirigia o veículo até a rua Albert Sabin, descrita pela vítima como um local deserto. 

De acordo com o boletim de ocorrência registrado pela Polícia Militar, a mulher, que estava atrás no veículo, foi puxada pelo agressor para o banco da frente pelos cabelos e forçada a fazer sexo oral. Para escapar, a vítima mordeu o pênis do motorista fazendo com que ele sangrasse. Em seguida, deixou o carro, correu em direção à casa e acionou os militares. 

No documento da PM ainda foi registrado que o homem, de nome Wendel, disse que iria procurar atendimento médico após a tentativa de estupro. O agressor foi descrito pela vítima como branco, com barba cheia, cerca 1,75m de altura. Até o momento, o suspeito não foi localizado e a ocorrência foi encaminhada para a seccional Noroeste. 

Questionada sobre as ações que seriam tomadas com relação ao possível agressor, a Uber informou, por meio de nota, que o motorista foi suspenso da plataforma "até que sejam concluídas as investigações pelas autoridades competentes". A empresa ainda se colocou à disposição para cooperar com as investigações segundo a lei. 

Para se tornar um motorista, a Uber pede dois documentos: a Carteira Nacional de Habilitação com a inscrição "exige atividade remunerada" e, após análise da CNH, o Certificado de Registro e Licenciamento do Veículo. No site da corporação não está especificado se é necessário apresentar atestado de antecedentes criminais.